F1

Red Bull termina com suspense e confirma Gasly como substituto de Ricciardo na temporada 2019

Pierre Gasly será o substituto de Daniel Ricciardo no cockpit da Red Bull na temporada 2019 do Mundial de F1. A equipe austríaca fez o anúncio, já esperado há alguns dias, na tarde desta segunda-feira
Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
 Pierre Gasly é o escolhido pela Red Bull para ser companheiro de Max Verstappen em 2019 (Foto: Red Bull Pool Content)
Mais uma pedra do efeito dominó da F1 caiu na tarde desta segunda-feia (20): Pierre Gasly será o companheiro de Max Verstappen na Red Bull em 2019. O jovem francês, que estreou na F1 na segunda metade do ano passado, era o favorito para a vaga, mas ainda a confirmação demorou alguns dias.
 
Com o anúncio da saída de Daniel Ricciardo no fim do ano - uma escolha do piloto australiano, que decidiu ir para a Renault -, Gasly era o único nome da academia de pilotos da Red Bull que está a postos para receber a chance. 

"Ganhar a chance de guiar pela Red Bull em 2019 é um sonho que se torna realidade para mim, estou muito animado de entrar nessa grande equipe. Era essa a minha meta desde 2013, quando entrei no programa de desenvolvimento da Red Bull e essa oportunidade incrível é mais um passo adiante na minha ambição de vencer corridas e disputar títulos. A Red Bull sempre entra por vitórias e títulos e é isso que quero também. Sou um cara bem competitivo e se faço algo é para ser bem feito, quero o melhor, as melhores posições", disse Gasly.
Pierre Gasly é o escolhido pela Red Bull para ser companheiro de Max Verstappen em 2019 (Foto: Red Bull Pool Content)
"Apesar de toda a empolgação pelo momento, estou bem ciente do desafio que é ser um piloto da Red Bull. Estou ansioso para fazer valer a confiança do Dietrich Mateshitz, de Christian Horner e Helmut Marko. A primeira fase do novo desafio é seguir em frente com a Toro Rosso e buscar grandes resultados para fechar 2018. Quero agradecer ao Franz Tost e ao resto do time em Faenza pela oportunidade de ouro e pelo apoio que eu sei que vai seguir igual até o fim. Quero agradecer a eles com grandes resultados para celebrar isso tudo", completou.

Quem também se manifestou foi Christian Horner, chefe da Red Bull. "Desde que Pierre chegou na F1 pela Toro Rosso no final do ano passado, ele já tem mostrado um talento indiscutível que a Red Bull acredita desde o início da carreira dele. As performances excepcionais que ele teve esse ano com a equipe de motores Honda e logo na primeira temporada completa, isso tudo mostrou que ele merece muitos créditos e que vai nos trazer velocidade, habilidade e atitude para 2019. Enquanto nosso foco segue em buscar o melhor resultado possível em 2018, já estamos ansiosos para 2019 com Max e Pierre."

Na semana passada, após Jean-Éric Vergne revelar que foi procurado por uma equipe não especificada da F1, surgiu uma linha de raciocínio de que seria a Red Bull, ainda insegura quanto a promover Gasly e cometer o mesmo erro que com Daniil Kvyat, em 2015. Logo Vergne se apressou para garantir que não havia sido a Red Bull a procurá-lo e que achava que Gasly ficaria com vaga. 

Até agora, Gasly tem 26 pontos na temporada 2018 contra apenas dois de Brendon Hartley, companheiro de equipe e vencedor das 24 horas de Le Mans, chamado às pressas pela Toro Rosso no ano passado exatamente pela falta de nomes disponíveis na escola da marca dos energéticos.
Pierre Gasly (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
A carreira de Gasly na F1 até o momento se resume a 17 GPs e 26 pontos. O melhor resultado foi o quarto lugar do GP do Bahrein deste ano. Antes da F1, Gasly foi vice-campeão da World Series em 2014 - então para Carlos Sainz Jr, liberado pela Red Bull para ir para a McLaren em 2019 - e campeão da então GP2 em 2016.

Com a resposta de Gasly, agora já estão elucidadas as questões referentes aos destinos de Fernando Alonso e Daniel Ricciardo e quem substitui ambos na McLaren e Red Bull, respectivamente. A grande incógnita passa a ser a Toro Rosso, visto que Hartley tem baixo desempenho e não deve continuar e que não há ninguém pronto para a F1 na academia de pilotos da Red Bull. O jovem mais bem avaliado no programa, Dan Ticktum, não tem direito à superlicença.