Renault tem motor atualizado para GP dos EUA, mas Ricciardo diz que punição por troca “não vale a pena”

O australiano Daniel Ricciardo comentou que o ganho que a nova unidade de potência da Renault propiciará é pequeno para compensar largar no fim do grid no GP dos Estados Unidos

A Renault gastou a maior parte de seus 12 tokens para levar na viagem da F1 à América do Norte uma unidade de potência atualizada. E, ainda assim, usá-la provavelmente não vai valer a pena. Foi o que avisou Daniel Ricciardo, nesta quinta-feira (22), na coletiva da FIA em Austin, onde acontece o GP dos Estados Unidos.

Para poder equipar o RB11 com o novo motor, os pilotos da Red Bull precisariam aceitar mais uma punição e largar no fim do grid. Como o ganho esperado de performance não é grande o bastante, os rubro-taurinos devem permanecer com a versão usada nas últimas provas.

Daniel Ricciardo mais uma vez adotou um visual diferente para o GP dos EUA. E que exige respeito (Foto: Red Bull)

"O motor está disponível, se quisermos usar. Levaríamos uma punição para isso. A última informação que recebi é que não é uma grande melhora, então, no meu entendimento, não vale a pena usar", comentou o australiano.

"Não vamos ganhar tanta vantagem assim para compensar largar no fim do grid. No momento, a ideia não é usar. Quem sabe me contam mais tarde algo diferente e a gente decida usar", acrescentou.

A Toro Rosso, a outra equipe que usa motores Renault, também não vai usar a nova especificação. "Vamos ficar até o fim do ano com a especificação antiga", confirmou o espanhol Carlos Sainz Jr. O pensamento é que as pistas que seguem tendem a ser menos exigentes com relação aos motores.

No ano passado, Ricciardo foi o terceiro colocado no GP dos EUA, atrás apenas dos pilotos da Mercedes, e ele está otimista por mais uma vez fazer uma boa apresentação. Se brigar pelo pódio pode parecer improvável em condições normais, ele crê que ao menos o ritmo de corrida deve ser bem bom.

Em parte, o que o anima é o desempenho já apresentado em Sóchi, há duas semanas, até ser forçado a abandonar a prova na 48ª volta.

"Fiquei surpreso por segurar o Valtteri [Bottas] e o Kimi [Räikkönen] por tanto tempo. Aquilo foi definitivamente uma surpresa legal. A unidade de força melhorou, com certeza, mas o carro é que ganhou vida. Esse circuito vai ser melhor para nós, e espero que possamos ser mais competitivos aqui. Se de alguma forma conseguirmos largar perto da frente, vamos conseguir nos manter lá — isso se não estivermos boiando no rio", brincou, mencionando a previsão de chuva que há para os três dias.

O piloto também falou a respeito da situação da Red Bull na F1 e disse que está confiante com relação à sua presença no grid em 2016. Mas, importante mesmo, é ser competitivo. "Da minha parte, estou confiante de que estarei correndo, esperançosamente sendo competitivo. Queremos ser competitivos novamente, e isso é tão importante quanto apenas estar no grid", afirmou.

Ricciardo é o oitavo colocado no Mundial de F1 com 73 pontos, três a menos que o russo Daniil Kvyat.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube