Reta final da temporada 2016 conta com briga particular da Mercedes. Para concorrência, resta pensar em 2017

O GP da Bélgica marca o começo da segunda metade da temporada 2016. Ano esse que tem outra disputa particular entre Lewis Hamilton e Nico Rosberg, a terceira seguida. Para as demais equipes, resta focar em 2017, nova oportunidade de derrubar a Mercedes

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

A temporada 2016 da F1 começou com um clima de otimismo para aqueles que torcem por uma categoria mais competitiva, com diversas equipes brigando por vitórias. A Ferrari parecia forte, a Red Bull estava juntando seus cacos, a Williams parecia estável e a McLaren prometia bastante. Com a primeira metade do ano já no passado, percebe-se que foi tudo uma breve ilusão: a Mercedes parte para as últimas corridas com mais uma briga particular entre Lewis Hamilton e Nico Rosberg pelo título mundial.
 

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

É exatamente a mesma briga de 2014, ano em que Lewis levou o bicampeonato. Em 2015 nem houve briga de verdade, de tão líder que o britânico já era. Neste aspecto, pelo menos, existe alguma empolgação para o segundo semestre: apesar do favoritismo pendendo para o #44, Rosberg ainda pode ser capaz de recuperar a forma apresentada nas quatro primeiras corridas de 2016. É difícil dar a volta por cima? É, mas a briga certamente está em aberto entre os dois.
 
Os GPs da Bélgica e da Itália, realizados em traçados de velocidades extremamente altas, devem formar um combate exclusivo entre os prateados, exatamente da mesma forma que se viu em outros anos. Serão provas importantíssimas para Rosberg: em caso de novas derrotas para Hamilton, o título passa a ficar tão improvável quanto em 2015. O déficit em pontos seria de pelo menos 33 pontos.
Hamilton leva a vantagem para o fim do ano. Mas Rosberg segue respirando (Foto: Getty Images)
Sim, até mesmo este caso raro de disputa em aberto na temporada pode deixar de existir em breve.
 
Enquanto a Mercedes toca a temporada no piloto automático, já muito na frente das principais rivais, o resto do grid parece não se importar muito com 2016. Red Bull e Ferrari, apesar de ainda trazerem atualizações, não estão focando no desempenho dos carros atuais – as peças testadas só estão começando a ser desenvolvidas, focando em 2017. Para estas duas ainda existe um resquício de rivalidade: o segundo lugar no Campeonato de Construtores está em aberto. Mesmo assim, uma coisa é certa: se for para ter mais chances de título na próximo, o terceiro lugar passa a ser um fardo aceitável.
 
Para as equipes fora do top-3, a situação não melhora. A McLaren vê cada novo ano como uma oportunidade de crescer ainda mais. Em 2016 deu certo, pelo menos. Force India, Williams e Haas, com orçamentos mais limitados, pensam no futuro por pura falta de opção: os cofres simplesmente não aguentariam introduções custosas e de difícil retorno.
A Ferrari tem pouco para fazer em 2016 (Foto: Getty Images)
Apesar de me reservar o direito de não concordar com a política de abandonar a temporada no meio do caminho, é inegável que ela faz sentido. Boa parte da aerodinâmica atual dos carros vai ser transformada, inutilizando grande parte dos componentes que formam, por exemplo, as asas dos carros. Até a Mercedes vai precisar se render à necessidade de pensar no futuro, mas com uma garantia: o título de Construtores já está nas mãos faz tempo.
 
É uma pena, mas a divisão de forças que se viu na Hungria e na Alemanha vai ser mais ou menos a mesma até o fim do ano. Em uma F1 de riscos financeiros altíssimos, não faz o menor sentido esvaziar a carteira por conta de uma posição a mais ou a menos no campeonato. Resta aguardar por um 2017 de mais disputas – e que durem o ano todo.
PADDOCK GP #43 DEBATE INDY E MOTOGP E FAZ PRÉVIA DA F1

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube