Retrospectiva 2019: Mesmo com vitórias, ano da Ferrari fica marcado por trapalhadas

A Ferrari até terminou o ano melhor do que começou, mas isso não chega a deixar o pessoal sorridente em Maranello. 2019 foi um novo ano de chances desperdiçadas, seja pelo SF90 inconstante, seja pelos pilotos autodestrutivos

RETROSPECTIVA F1 2019
_F1 vive duas temporadas em uma, irrita e diverte ao mesmo tempo 
_Hamilton vive ano irretocável com hexa e atos de grandeza
_Excelente, Mercedes dá lição e se põe de novo imbatível

_Antes aprendiz, Leclerc se candidata a líder da Ferrari
_Ferrari se vê em situação incomum com Vettel x Leclerc e falha


A pré-temporada da Fórmula 1 se encerrou com uma impressão clara. A Ferrari tinha acertado a mão no carro e, mesmo tendo a Mercedes como rival próxima, iria para a Austrália como leve favorita aos títulos. Não poderia ser uma previsão mais equivocada: mesmo que os italianos tenham feito um bom trabalho no desenvolvimento do problemático SF90, 2019 será lembrado em Maranello como um ano de muitas trapalhadas e poucos acertos.
 
A parte das trapalhadas fica até difícil de ser explicada, tamanha a diversidade de erros cometidos pelos ferraristas. Teve corrida comprometida por pit-stop ruim, teve estratégia que virou tiro na água, teve problema mecânico na pior hora possível e teve também dificuldade em gerenciar dois pilotos que brigavam para ver quem é o alfa.
Mattia Binotto, o chefe da Ferrari, não teve um minuto de sossego em 2019 (Foto: Reprodução)
Desse jeito, não demorou para ver que o ano estava fadado ao fracasso. O GP da Austrália de atuação esquecível foi seguido por um GP do Bahrein promissor. Sebastian Vettel e Charles tinha ritmo forte, mas não conseguiram trazer a vitória – o alemão rodou sozinho e ficou para trás, isso enquanto o motor do monegasco cedeu quando menos podia. Era uma nova vitória de Lewis Hamilton, que se firmava como favorito conforme Valtteri Bottas começava a ruir.
 
Uma nova chance de vitória só viria para valer no Canadá, através de Vettel. O alemão fez pole e liderou a maior parte da prova, mas foi traído por uma punição que até hoje causa polêmica – Seb cortou uma chicane e voltou de forma considerada perigosa ao traçado. Mas não era só o tetracampeão que sentava no pavê: Leclerc, dois GPs depois, teve a chance de vencer na Áustria zerada por uma ultrapassagem ousada de Max Verstappen na penúltima volta. 
 
Dessa forma, a primeira metade da temporada se encerrou sem um único triunfo da Ferrari, algo inimaginável no começo do ano.
Sebastian Vettel perdeu uma chance grande de vencer (Foto: AFP)
Só que talvez essas pipocadas não tenham sido o mais feio. Chato mesmo foi como a Ferrari esteve inofensiva nas outras provas do ano, quando levou pau até mesmo da Red Bull. A dificuldade de até mesmo ir ao pódio deixava claro que o SF90 era inconstante demais para permitir luta por título.
 
As férias de agosto se encerraram com corridas que favoreciam a Ferrari. O motor mais potente do grid fez a diferença e rendeu vitórias na Bélgica e na Itália, ambas com Leclerc, apesar da dura pressão da Mercedes. Singapura veio e, apesar de previsões pessimistas, o carro rosso voltou a conseguir pole e vitória – só que agora com Vettel, e até com certa tranquilidade.
 
Acontece que, mesmo na vitória, ficava claro porque o ano da Ferrari não tinha como dar certo. Leclerc se sentiu injustiçado pela estratégia adotada e deixou clara sua insatisfação. A dupla seguiria se bicando em Sóchi, quando Vettel ensaiou não obedecer uma ordem de equipe. Na prova russa, a indecisão foi um fator que ajudou a Mercedes a vencer, reencontrando o caminho das vitórias que logo confirmaria o título de Hamilton.
A Ferrari celebra vitória em Monza (Foto: Beto Issa)
A Ferrari sofreu também nos bastidores, sendo forçada pela FIA a reverter uma atualização no fluxômetro de combustível, que, aos olhos da Red Bull, dava uma vantagem em retas. Seja isso verdade ou não, fato é que a reversão da novidade pegou a equipe italiana no contrapé.
 
O SF90 não voltaria a vencer no ano, só que seria errado dizer que foi tudo culpa do carro. Os pilotos não colaboraram, vide a desnecessária disputa por posição no GP do Brasil, quando um toque forçou abandono tanto de Vettel quanto de Leclerc.
 
Para 2020, o cenário é claro. A Ferrari não será campeã se seguir se atrapalhando sozinha. É verdade que a pressão da F1 costuma ser alta, ainda mais contra rivais duras como Mercedes e Red Bull. Acontece que, das três gigantes da atualidade, a equipe italiana é de longe a que pior sabe lidar com problemas. Estes se arrastam sem solução, fazendo a equipe encerrar a década sem título. E já fica o aviso: os anos 2020 não serão magicamente melhores sem uma reavaliação interna. 
 

Carregando…

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube