Ricciardo destaca “anos de sacrifícios” para suportar temporada durante pandemia

Daniel Ricciardo teve um grande ano dentro das pistas, com dois pódios e com mudança de equipe, mas ressaltou as dificuldades vividas por outras pessoas ao longo da pandemia de Covid-19, inclusive aqueles que perderam empregos ou empresas

A temporada 2020 da Fórmula 1 foi diferente dentro e fora das pistas por conta da pandemia de Covid-19, com calendário alterado para apenas 17 provas em seis meses. Daniel Ricciardo, que correu pela Renault, acredita que muito sacrifício na categoria o ajudou no momento complicado do campeonato.

Apesar de alguns problemas, o australiano revelou que não pode reclamar do que passou ao longo da pandemia enquanto muitos perderam seus empregos em 2020.

“Eu acho que cheguei a este lugar após anos de sacrifícios nos primeiros anos fora de casa e vivendo em uma pequena cidade. Quer dizer, eu devo ter ficado de quarentena no primeiro ano que morei na Itália [em 2006, competindo na Fórmula Renault Italiana] porque não tinha nada para fazer onde estava”, declarou Ricciardo ao site GP Fans.

Daniel Ricciardo terminou o ano em quinto e conquistou dois pódios em 2020 (Foto: Renault)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Confira todas as informações do Dakar 2021. É aqui.

“Novamente, continua um trabalho incrível e sou sempre a pessoa que vê o copo meio cheio. Temos que perder um pouco de nossa vida social e a diversão que chega junto com as viagens. Mas algumas pessoas estão perdendo seus trabalho e suas empresas. Nós continuamos correndo e recebendo, então sempre fiquei contente com isso”, completou o agora piloto da McLaren.

Ricciardo também comentou a possibilidade do GP da Austrália, abertura da temporada 2021, ser adiada para o segundo semestre. No último ano, o australiano não teve a chance de correr diante dos fãs, pois a etapa foi cancelada horas antes do primeiro treino livre. Para o piloto a McLaren, o cronograma cheio divulgado pela F1 pode atrapalhar mais uma vez a prova.

“Normalmente, temos 20 corridas em dez mezes. Tivemos 17 provas nos últimos seis meses e não fizemos nada, literalmente nada, por um trimestre”, pontuou.

“Nós conseguimos ficar na bolha, nos movemos ao redor do mundo, principalmente na Europa, e competimos sem torcedores mantendo intensidades e rivalidades. Olhando para trás, foi um ano muito bacana”, finalizou Daniel.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube