Ricciardo destaca “anos de sacrifícios” para suportar temporada durante pandemia

Daniel Ricciardo teve um grande ano dentro das pistas, com dois pódios e com mudança de equipe, mas ressaltou as dificuldades vividas por outras pessoas ao longo da pandemia de Covid-19, inclusive aqueles que perderam empregos ou empresas

A temporada 2020 da Fórmula 1 foi diferente dentro e fora das pistas por conta da pandemia de Covid-19, com calendário alterado para apenas 17 provas em seis meses. Daniel Ricciardo, que correu pela Renault, acredita que muito sacrifício na categoria o ajudou no momento complicado do campeonato.

Apesar de alguns problemas, o australiano revelou que não pode reclamar do que passou ao longo da pandemia enquanto muitos perderam seus empregos em 2020.

“Eu acho que cheguei a este lugar após anos de sacrifícios nos primeiros anos fora de casa e vivendo em uma pequena cidade. Quer dizer, eu devo ter ficado de quarentena no primeiro ano que morei na Itália [em 2006, competindo na Fórmula Renault Italiana] porque não tinha nada para fazer onde estava”, declarou Ricciardo ao site GP Fans.

Daniel Ricciardo terminou o ano em quinto e conquistou dois pódios em 2020 (Foto: Renault)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Confira todas as informações do Dakar 2021. É aqui.

“Novamente, continua um trabalho incrível e sou sempre a pessoa que vê o copo meio cheio. Temos que perder um pouco de nossa vida social e a diversão que chega junto com as viagens. Mas algumas pessoas estão perdendo seus trabalho e suas empresas. Nós continuamos correndo e recebendo, então sempre fiquei contente com isso”, completou o agora piloto da McLaren.

Ricciardo também comentou a possibilidade do GP da Austrália, abertura da temporada 2021, ser adiada para o segundo semestre. No último ano, o australiano não teve a chance de correr diante dos fãs, pois a etapa foi cancelada horas antes do primeiro treino livre. Para o piloto a McLaren, o cronograma cheio divulgado pela F1 pode atrapalhar mais uma vez a prova.

“Normalmente, temos 20 corridas em dez mezes. Tivemos 17 provas nos últimos seis meses e não fizemos nada, literalmente nada, por um trimestre”, pontuou.

“Nós conseguimos ficar na bolha, nos movemos ao redor do mundo, principalmente na Europa, e competimos sem torcedores mantendo intensidades e rivalidades. Olhando para trás, foi um ano muito bacana”, finalizou Daniel.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar