F1

Ricciardo relembra incidente com Hamilton em 2016 e sai em defesa de Vettel contra punição

Hoje piloto da Renault, Daniel Ricciardo lembrou que passou por um momento similar ao do GP do Canadá do último domingo, então pela Red Bull no GP de Mônaco. E foi o próprio Lewis Hamilton quem espremeu o australiano contra o muro e saiu sem punição. Ricciardo afirmou que a não-punição foi correta naquela oportunidade e seria correta também em Montreal

Grande Prêmio / Redação GP, do Rio de Janeiro
É bem provável que Daniel Ricciardo seja a voz mais eloquente dentre todos os que se manifestaram diante da punição aplicada a Sebastian Vettel pela ‘fechada’ que deu, segundo a avaliação dos comissários da FIA, em Lewis Hamilton na volta 48 do GP do Canadá. Isso porque o australiano, então piloto da Red Bull, foi vítima justamente de Hamilton em um incidente deveras similar há três anos.
 
“Eu tive uma situação idêntica com Lewis em Monte Carlo 2016. Ele teve de ir pela saída de emergência e quase me jogou no muro ao voltar”, lembrou Ricciardo. “Comigo, foi mais apertado do que com ele agora, mas ele não recebeu uma punição. O que foi bom porque era corrida pra valer”, continuou.
 
Assim, Ricciardo fez coro à grande maioria dos ex-pilotos, de Mario Andretti a Mark Webber, e ainda na ativa, de Nelsinho Piquet a Jenson Button, de que a penalização de 5 segundos no tempo de corrida de Vettel foi injusta.
 
“Se ele jogasse o carro para a esquerda, ele rodaria. Se ele freasse na grama, também rodaria. Não tinha muito espaço para Lewis, mas ainda havia”, explicou Ricciardo.
Sebastian Vettel (Foto: AFP)
O incidente que chacoalhou as estruturas do Circuito de Gilles Villeneuve, em Montreal, no último domingo, aconteceu na segunda metade da prova. Vettel, com pneus desgastados, cometeu um erro e passeou na grama. Era um momento complexo em que ele já havia perdido a vantagem pequena que tinha para Hamilton e conseguiu reabrir uma vantagem. Mas, quando errou, Lewis encostou imediatamente. Vettel voltou para a pista e forçou Hamilton e aliviar no freio, o que a Mercedes entendeu como uma manobra perigosa e reclamou. 
 
Os comissários decidiram punir Vettel com o acréscimo de 5s ao tempo final da corrida. Desta feita, Sebastian liderou a prova de ponta a ponta, mas quem venceu foi Hamilton. 
 
Após a prova, muitos pilotos do Brasil e de todo o mundo se manifestaram. Os campeões mundiais Nigel Mansell e Mario Andretti se mostraram extremamente incomodados com a decisão, enquanto Damon Hill achou que Vettel podia dar mais espaço a Hamilton. Nico Rosberg foi em outra direção e opinou que a punição é um claro acerto. 
 
Vettel ainda aproveitou o pós-corrida para dar um show particular de revolta. Recusou a estacionar o carro na área do Parque Fechado indicada para o segundo colocado e, quando passou pelas placas que designam os carros do top-3, colocou a indicação do #2 na frente do carro de Hamilton e passou a placa do #1 para o espaço vazio onde deveria estar a sua Ferrari.


Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.