F1

Ricciardo vê SP mais segura. Mas ainda se mantém realista: “Não fico usando relógios e óculos bons”

Depois das manchetes policiais do ano passado, São Paulo reforçou a segurança em Interlagos e o reforço do policiamento deu resultados. Sem registros de incidentes, Daniel Ricciardo admitiu que a situação em Interlagos parece mais segura
Warm Up, de São Paulo / JULIANA TESSER, de Interlagos
 Daniel Ricciardo (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
Nos últimos anos, o GP do Brasil não foi destaque apenas no noticiário esportivo. Por conta de seguidos assaltou, a etapa brasileira da F1 ganhou as páginas policiais, mas a situação parece mais sob controle em 2018.
 
Até a noite de sábado (10), pelo menos, nenhum incidente apareceu no noticiário e a presença maciça da Polícia Militar também se fazia sentir nas cercanias do autódromo. 
 
Daniel Ricciardo disse se sentir seguro em Interlagos em 2018 (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
“A distribuição do efetivo está pautada na estimativa do público para cada dia do evento, abrangendo todas as vias de acesso ao autódromo”, disse a pasta do governo de São Paulo em nota enviada ao GRANDE PREMIUM.
 
“A Polícia Militar iniciou as medidas preventivas de segurança nos arredores do autódromo por meio do patrulhamento realizado pelos diversos programas de policiamento adotados na região. A dinâmica de circulação das patrulhas será monitorada por meio de uma sala de situação instalada no Posto de Comando da instituição”, completou.
 
Mas, depois das muitas criticas do ano passado, desta vez a segurança de Interlagos conseguiu até elogios. Daniel Ricciardo disse que sempre procurou ser cauteloso no Brasil, mas admitiu que o ambiente “parece mais seguro”. 
 
“Eu sempre fui realista aqui, nunca usei relógios bons, óculos bons à mostra no carro, exposto. Sempre fui bem normal, então... Eu nunca passei por nada, felizmente, não quero passar por nada, mas parece que ― é fácil falar, alguma coisa pode acontecer e aí vocês todos falaria bobagem ―, mas parece mais seguro”, comentou Daniel. “Eu não me sinto como se estivesse no limite. Obviamente, só precisa de um incidente, mas eu me sinto bem”, seguiu.
 
Se dirigindo aos jornalistas, Ricciardo perguntou, sempre com um sorriso no rosto, se todos estavam bem.
 
“Vocês todos estão bem? Ninguém usando coletes à prova de balas?”, brincou. Ao que ouviu como resposta: “Nós não dirigimos carros de luxo, então...”.

Acompanhe todo o conteúdo em vídeo do GP do Brasil no nosso canal no YouTube Resultado de imagem para logo png youtube
 
GRANDE PRÊMIO cobre ‘in loco’ o GP do Brasil de F1 com os repórteres Evelyn Guimarães, Felipe Noronha, Fernando Silva, Gabriel Curty, Juliana Tesser, Nathalia De Vivo e Pedro Henrique Marum, e o fotógrafo Rodrigo Berton. Acompanhe tudo aqui.