Rivais no pelotão intermediário, McLaren e Force India desconfiam de carro “mágico” da Haas e pedem investigação

Otmar Szafnauer, chefe de operações da Force India, acredita que só mágica explica o salto de desempenho da Haas. Essas mágicas seriam as alianças com Ferrari e Dallara, que agora podem virar tema de debate no Grupo de Estratégia da F1

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A inesperada velocidade apresentada pela Haas em Melbourne deixou equipes rivais desconfiadas. McLaren e Force India, adversárias diretas, temem que a parceria técnica dos americanos com a Ferrari esteja indo além do permitido pelo regulamento.
 
As indagações não são novas, remetendo às vistas após a estreia da equipe em 2016. A Haas compete com motor, câmbio e bateria fornecidas pela Ferrari. Além disso, a equipe também depende de uma aliança com a Dallara para desenvolver chassi e usar túnel de vento. Desse jeito, há quem diga que os americanos não são construtores ‘de verdade’
 
“Não sei o que eles fizeram, é mágica”, disse. Otmar Szafnauer, chefe de operações da Force India. “Nunca fizeram algo assim antes na F1. Eu só quero saber como pode ser que alguém que está aqui há dois anos, sem recursos, consiga produzir um carro [bom]. Isso acontece por mágica? Se sim, eu quero a varinha”, brincou. Szafnauer quer discutir uma restrição às parcerias da Haas na próxima reunião do Grupo de Estratégia da F1.
A performance da Haas na Austrália deixou equipes rivais atentas (Foto: Haas)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Por parte da McLaren, a afirmação tem outra linha. Zak Brown, chefe da equipe, não faz acusações e quer apenas tirar a situação a limpo.
 
“Não tenho nenhuma evidência, mas nós todos sabemos que eles têm uma forte aliança com a Ferrari. Precisamos nos garantir de que não é forte demais”, explicou. “Talvez exista alguma influência, algumas partes do carro certamente são parecidas com os [da Ferrari] do ano passado. Mas isso é uma coisa para os engenheiros e a FIA olharem com mais atenção”, encerrou.
 
A Haas, que dificilmente ia além do oitavo lugar em 2017, abriu 2018 já com a expectativa de colocar os carros em quarto e quinto. Mas o resultado dos sonhos virou um pesadelo após um abandono duplo, consequência de erros durante pit-stops.
 
"RIDÍCULO E LEVIANO"

AJUDA DELIBERADA DA HAAS À FERRARI? NÃO FAZ SENTIDO ALGUM

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube