Rosberg admite queda no interesse dos alemães pela F1 e justifica: “Eu e Vettel não somos Schumacher”

Com GP da Alemanha fora do calendário de 2015, Nico Rosberg reconheceu que os alemães perderam o interesse pela F1. Piloto da Mercedes lembrou que ele e Sebastian Vettel não são como Michael Schumacher, que atraiu a atenção da Alemanha ao esporte

Nico Rosberg aproveitou bem o intervalo entre os GPs do Brasil e de Abu Dhabi. Antes de embarcar rumo a última prova do ano, o germânico foi para a Espanha para participar de um evento com Marc Márquez, bicampeão da MotoGP, e aproveitou para arriscar algumas manobras em uma moto de motocross.
 
Durante sua passagem pela pista de Rufea, em Barcelona, Rosberg conversou com o diário espanhol ‘Marca’ e falou sobre a ausência da Alemanha no calendário da F1 em 2015
Nico Rosberg esteve na Espanha para evento com Marc Márquez (Foto: Allianz)
O piloto da Mercedes lamentou a ausência de seu país natal, mas reconheceu que não foi só a taxa cobrada por Bernie Ecclestone que afastou o país da programação.
 
 “Foi uma desilusão perder o GP deste ano, mas no próximo ano ele estará de volta”, disse Rosberg. “Um Mundial de F1 sem o GP da Alemanha é um pouco estranho e nós precisamos”, opinou.
 
“Perdemos porque Bernie quer dinheiro. E também tem o problema de haver um pouco menos de interesse”, ponderou. “Veja o GP do México: com as pessoas, a emoção e a vontade, eles foram incríveis. Na Alemanha não é assim”, reconheceu.
 
Nico, no entanto, entende que o interesse pelo esporte é cíclico, já que nos tempos de Michael Schumacher os alemães se sentiam mais atraídos pela F1.
Nico Rosberg destacou que Alemanha perdeu o interesse pela F1 (Foto: Getty Images)
“Mas existem momentos. No tempo de Schumacher estava em alta e depois mudou. Nós também vimos isso com o tênis, quando Boris Becker competia. Depois dele, foi ladeira baixo”, comparou.
 
Questionado se sua presença e a de Sebastian Vettel não ajudava a atrair o interesse dos alemães, Rosberg respondeu: “Sim, mas nós não somos Schumacher”. 
 
“É importante entender o que acontece para tratar melhor a situação e para que as pessoas recuperem o interesse pelo esporte”, concluiu.

 

(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = “//connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js#xfbml=1&version=v2.3”; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Sobre o motor alternativo na F1 em 2017: não vai rolarhttp://grandepremio.uol.com.br/f1/noticias/com-veto-das-montadoras-grupo-de-estrategia-rejeita-proposta-de-motor-alternativo-para-f1-em-2017-diz-revista

Posted by Grande Prêmio on Quarta, 25 de novembro de 2015

PADDOCK GP EDIÇÃO #8: ASSISTA JÁ

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)<0?n+="px":n,cc.style.display="",s2.width=n,window.frameElement&&(s1.height=c2.offsetHeight+5+"px"),t=500,s1.width="100%"}rs(t)},200)}var c1=window.frameElement?window.frameElement:document.getElementById("crt_ftr"),c2=document.getElementById("crt_ftr"),s1=c1.style;s1.position="fixed",s1.bottom="-4px",s1.left="0px",window.frameElement&&(s1.height="0"),c2.style.textAlign="center",s1.zIndex="60000";var cc=document.getElementById("crt_cls"),s2=cc.parentNode.style;cc.onclick=function(){s1.display="none"};var t=0;rs(0);

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth < 970) ? 302357 : 302359;
document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube