Rosberg supera Mansell e assume posto de piloto com mais GPs disputados antes de ser campeão da F1

Além de entrar na história como campeão da F1 em 2016, Nico Rosberg também quebra recordes. O alemão é o piloto com mais GPs no currículo antes de ser campeão – 206, bem mais do que os 176 de Nigel Mansell, antigo recordista

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Nico Rosberg fez história neste domingo (26). Ao terminar em segundo no GP de Abu Dhabi, o alemão somou os pontos necessários para derrotar o companheiro Lewis Hamilton e se sagrou campeão da F1. Mas, além da importância inerente ao título mundial, o alemão foi histórico por outros motivos: trata-se do piloto que mais disputou GPs antes de vencer um campeonato.
 
Rosberg precisou de 206 GPs para alcançar o título de campeão da F1, superando com folga as 176 provas de Nigel Mansell, campeão em 1992. A quebra do recorde não vem por acaso – na verdade, uma série de motivos justifica a marca.
 
Antes das três temporadas de domínio total da Mercedes, Rosberg comeu o pão que o diabo amassou. Estreou em 2006 com uma Williams que já tinha perdido o fôlego do início dos anos 2000. A equipe não tinha a menor condição de dar um título para Nico, que por lá ficou até 2009. Em 2010, a crucial transferência para a Mercedes – que também não tinha como dar muito ao alemão antes de 2014.
Nico Rosberg mudou muito de 2006 para cá (Foto: Williams)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Em suma, o período 2006-2013 foi pouco produtivo para Rosberg. Foram oito temporadas em que pódios e vitórias eram motivo de grande festa. Quando os motores V6 Turbo colocaram a Mercedes no topo do mundo, vieram mais dois anos na sombra de Hamilton. Ao todo, dez primaveras.
 
Nigel Mansell, ex-dono do recorde, tem um histórico semelhante. O britânico correu pela Lotus entre 1980 e 1984, sofrendo muito com quebras e falta de ritmo. A passagem para a Williams em 1985 foi crucial, mas o título só viria muito depois: a disputa com pilotos mais cerebrais, como Alain Prost, Ayrton Senna e Nelson Piquet, retardou muito o campeonato mundial.
 
1986, 1987 e 1991 são exemplos de oportunidades perdidas. Mas não havia como perder em 1992: com o lendário FW14B, Mansell levou a taça com um pé nas costas.
Nigel Mansell em 1992 (Foto: Williams)
Ao todo, foram 13 anos para Mansell ser campeão. E isso nos leva para outro ponto: como Nico é o novo recordista, se Nigel levou mais temporadas? Simples: o britânico disputou 16 GPs em 1992, enquanto o alemão correu em 21 em 2016. É por isso que o recorde é de GPs, e não de temporadas – este segue em posse do Leão.

Mas o recorde não deve ser interpretado como motivo de tristeza. Outros grandes nomes do automobilismo figuram na mesma lista de Rosberg. Jenson Button, Kimi Räikkönen e Mika Häkkinen fecham o top-5 de pilotos que mais demoraram para levantar a taça.

Pilotos com mais GPs antes do primeiro título na F1

      GPs
1 NICO ROSBERG 206
2 NIGEL MANSELL 176
3 JENSON BUTTON 169
4 KIMI RÄIKKÖNEN 121
5 MIKA HÄKKINEN 112
6 JODY SCHECKTER 97
7 ALAIN PROST 87
8 ALAN JONES 80
9 MARIO ANDRETTI 79
10 AYRTON SENNA 77

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube