Russell critica falta de ação na F1: “As corridas não são boas o bastante há 20 anos”

George Russell acredita que há décadas as corridas da Fórmula 1 não têm mostrado seu verdadeiro potencial. E os problemas principais são relacionados a ultrapassagem

George Russell ainda não pontuou em 2021 — enquanto no GP do Bahrein alcançou apenas na 14ª posição, no GP de Emília-Romanha, em Ímola, o inglês se envolveu em um caótico acidente com Valtteri Bottas, que tirou ambos os pilotos da corrida. Em entrevista ao site holandês RacingNews365.com, o piloto do carro #63 da Williams disse que as corridas na Fórmula 1 não são tão boas há duas décadas e quer melhorar a ação em seu papel como um dos diretores da GPDA (Associação de Pilotos de GP).

Russell acredita que um piloto não pode ultrapassar na Fórmula 1, a menos que haja uma diferença significativa no desgaste dos pneus entre dois pilotos. O prodígio entende que este é um grande problema e que precisa ser resolvido rapidamente.

“Boas corridas atraem mais fãs”, disse Russell. “As corridas provavelmente não têm sido boas o bastante nos últimos 20 anos, para ser honesto”, criticou. “Os tempos em que vemos boas corridas são quando há um grande delta de pneus entre os carros, caso contrário, você simplesmente não consegue ultrapassar ou correr”, explicou.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!
WEB STORIES: Como foi o GP da Emília-Romanha de Fórmula 1

“Tento encontrar uma maneira que possamos propor algo como uma carta para a F1 e para a Pirelli dizendo: ‘Isso é o que precisamos dos carros, isso é o que precisamos dos pneus, isso é o que precisamos dos circuitos para promover boas corridas'”, salientou o piloto.

George Russell e Valtteri Bottas se envolveram em um forte acidente durante a corrida em Ímola (Foto: Reprodução/TV)

Russell tomou o exemplo do circuito de Barcelona, palco do GP da Espanha. No entendimento do jovem de 23 anos, trata-se de uma das piores pistas para corridas neste século.

Em 2007, foi feita uma mudança na parte final do circuito, que substituiu duas curvas rápidas para a direita para uma chicane de baixa velocidade. Russell gostaria que a F1 revertesse o layout pré-2007 com o objetivo de melhorar as corridas.

“Um exemplo que temos no momento é Barcelona, ​​o circuito oferece corridas muito ruins, são sempre muito monótonas”, afirmou. “No geral, pensamos que se o circuito voltasse às duas últimas curvas que existiam há 15 anos, duas curvas rápidas, você realmente conseguirá seguir um pouco mais perto. Você entrará em uma reta em velocidade mais alta, o efeito do vácuo será maior, todo o trecho até a primeira curva”, declarou.

Russell afirma que seria uma solução “fácil” para os fãs, que querem ver corridas emocionantes nas pistas. “É uma solução fácil para um circuito muito pobre. Obviamente, há implicações de segurança e não é tão simples como dizer, ‘certo, vamos mudar este circuito e reverter tudo. Mas isso é algo que pode ser feito a partir do próximo ano'”, finalizou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar