Russell diz que Williams foi “melhor do que nunca” apesar do 14º lugar no GP da Espanha

George Russell ficou apenas com a 14ª colocação no GP da Espanha, em Barcelona, mas isso não o impediu de comentar as melhorias do FW43B da Williams

Hamilton pega Verstappen na tática e vence: assista aos melhores momentos do GP da Espanha (GRANDE PRÊMIO com Reuters)

Terminar o GP da Espanha na 14ª posição não impediu George Russell de olhar os pontos positivos da Williams na corrida. Para o piloto, o FW43B foi muito melhor de pilotar na pista espanhola, apesar de ter saído da disputa pela zona de pontuação nas últimas voltas da prova.

As condições mais calmas e com menos vento durante a prova fizeram com que o carro tivesse um comportamento mais previsível do que na etapa anterior em Portugal, explicou Russell.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

“Fizemos um trabalho muito bom com o carro,” disse Russell, após a corrida. “O carro foi o melhor de hoje, para ser honesto, em uma corrida, provavelmente o melhor de que me lembro”, completou. “Isso torna a pilotagem mais divertida em comparação com o normal. Nós conhecemos o carro que temos”, acrescentou.

George Russell finalizou o GP da Espanha na 14ª posição (Foto: Williams)

Após a última corrida em Portimão, Russell havia dito que ele e seu companheiro de equipe Nicholas Latifi precisariam de condições climáticas mais amenas para poderem tirar o melhor proveito do carro – o que ele afirma ter acontecido em Barcelona.

“Foi um dia calmo e consistente. O vento estava a menos de 10 km/h com rajadas mínimas, o que tornou o carro consistente para pilotar. E quando é consistente, como piloto, você pode controlá-lo. E eu acho que é algo com o qual Nicholas e eu realmente lutamos, especialmente em Portimão, que foi muito exposto, era simplesmente incrivelmente inconsistente”, relatou.

Russell correu para a conquistar a 10ª posição nos momentos finais da corrida, mas caiu para a 14ª devido à desgaste dos pneus. No entanto, ele elogiou a estratégia ambiciosa da equipe, na esperança de conseguir correr até o fim sem usar pneus novos. Afinal, ele passou grande parte da quarta etapa da temporada tentando alcançar Fernando Alonso, mas duvida que pudesse ter terminado em uma melhor posição se tivesse passado o piloto da Alpine – que, mais tarde, viria a encerrar a prova em 17º lugar.

“Acho que ter Alonso na minha frente ajudou a manter os carros mais rápidos para trás porque eu tinha o DRS. Eles estavam a meio segundo de distância. Teria sido uma tarefa incrível. Mas estou muito satisfeito por termos feito essa estratégia e nos encontrado nessa posição”, concluiu.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar