carregando
F1

Saída de “formidável” Räikkönen da Ferrari “é um baque para todos nós”, diz chefe da Mercedes

Toto Wolff exaltou Kimi Räikkönen pela sua autenticidade e por “permanecer fiel a si mesmo e aos seus valores”. O dirigente austríaco lamentou pelo ‘Homem de Gelo’ não vai ter na Sauber um carro vencedor, mas “se pilotar é algo que ele curte, ele está certo em seguir sua paixão”

Warm Up / Redação GP, de Sumaré
Um dos movimentos mais surpreendentes do mercado de pilotos para a temporada 2019 do Mundial de F1 é que Kimi Räikkönen vai voltar à Sauber para cumprir seu ciclo final de carreira. O finlandês, que cumpriu sua segunda passagem pela Ferrari entre 2014 e 2018, vai regressar à equipe na qual começou sua carreira no esporte. Mas para a F1, a saída do ‘Homem de Gelo’ da equipe italiana é como um baque, diz Toto Wolff. O chefe da Mercedes entende que é uma pena para a categoria que o veterano de 39 anos não tenha mais às mãos um carro capaz de vencer corridas.
 
Por outro lado, o dirigente austríaco destacou a personalidade marcante de Räikkönen e lembrou que, na Sauber, vai continuar dando sequência à sua paixão: correr e se divertir.
 
“Acho que muda muito para a F1 Kimi não estar mais na Ferrari e em um carro no qual seja capaz de vencer corridas. Ele é um personagem formidável. Ele é uma das poucas pessoas nos dias de hoje que, em meio às redes sociais e o ego fora de controle, que permanece fiel a si mesmo”, destacou Wolff em entrevista veiculada pela revista britânica ‘Autosport’.
Kimi Räikkönen deixou a Ferrari para regressar à Sauber em 2019 (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
“Ele tem seus valores e permanece fiel aos seus valores, e ele é autêntico. É isso o que os fãs adoram. Então, Kimi não estar na Ferrari é um baque para todos nós”, acrescentou.
 
“Mas pelo menos ele não está completamente fora. Ele está na Sauber e é uma pena que, com Fernando saindo definitivamente e Kimi trocando a Ferrari pela Sauber, estejamos perdendo duas personalidades inacreditáveis de alguma forma. Kimi e a Ferrari, como combinação, era muito atrativo”, opinou Wolff.
 
Ainda que não esteja mais em condições reais de vencer corridas, Räikkönen vai ter na Sauber a chance de acelerar um carro competitivo, além de estar mais próximo à sua casa. Assim, sobram motivos para que o finlandês siga aproveitando ao máximo sua paixão.
 
“Kimi diz que está vindo para aproveitar com a Sauber, mas a Sauber provou ser o melhor carro do resto. Ela está a 40 minutos da sua casa, então ele consegue estar em casa. Acho que, com Fred [Frédéric Vasseur, chefe de equipe], eles têm um grupo de competidores que está se encaixando, e com uma relação sólida com a Ferrari, por que ele não continuaria fazendo o que ele curte fazer?”, ponderou o dirigente.
 
“Somos muito guiados pelo que ele deveria fazer: ele deveria deixar a F1 porque não vai ter mais um carro vencedor? Mas todos nós estamos aqui para sermos felizes e estamos todos aqui para nos divertir, e se pilotar é algo que ele curte, então ele está certo em seguir sua paixão”, complementou.