Sainz afirma que “Ferrari está melhor do que o sétimo lugar” no GP da Espanha

Insatisfeito após ficar na sétima colocação no GP da Espanha, Carlos Sainz, da Ferrari, afirmou ter enxergado o carro como o mais rápido do pelotão intermediário, mas apontou dificuldades com a largada e o traçado como pedras no sapato na prova

Hamilton pega Verstappen na tática e vence: assista aos melhores momentos do GP da Espanha (GRANDE PRÊMIO com Reuters)

Na esteira do GP da Espanha, realizado no último domingo (10), Carlos Sainz fez uma avaliação geral da corrida em casa e se mostrou insatisfeito com sua performance. Mesmo enxergando a Ferrari como a melhor equipe do meio do pelotão, o piloto lamentou a sétima posição, afirmando que poderia ter conquistado um melhor resultado.

Após sua quarta prova pela Ferrari, Sainz analisou seu desempenho, elegendo a largada ruim, em que caiu de sexto para oitavo lugar, como um dos principais tópicos que lhe custou pontos na corrida. O traçado difícil do circuito de Barcelona também foi citado como um dos percalços do fim de semana.

“Não estou muito satisfeito, para ser sincero. O carro estava melhor do que foi o resultado”, disse.

“Eu senti, pela primeira vez no ano, que éramos o carro mais rápido do meio do pelotão, mas eu tive uma primeira volta muito fraca”, seguiu.

“Além da primeira volta, eu fui esmagado na curva 1 e não conseguia ir a lugar nenhum. Acho que tenho de analisar o que posso melhorar na largada para não perder posições. Executamos uma boa estratégia, bons pit-stops e conseguimos chegar na sétima posição. Eu senti que deixamos alguns pontos na pista”, comentou.

Carlos Sainz acabou em sétimo no GP da Espanha (Foto: Ferrari)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Sainz, que ao longo da prova disputou posições com os dois carros da McLaren, lembrou da disputa protagonizada com Lando Norris, e apontou a falta de velocidade em reta como culpada por ele ter terminado atrás de Daniel Ricciardo, sexto colocado.

“Do meu lado, foi uma reação muito próxima ao movimento do Norris. Eu acho que quase bati nele, mas conversamos após a corrida e está tudo bem. Sendo sincero, eu me dou bem com ele”, lembrou.

“Tínhamos os mesmos pneus, com o mesmo tempo de uso, o que significa que eu acredito que comparados a McLaren, estávamos dois ou três décimos mais rápidos por volta. Mas, mesmo assim, com o ar sujo desses carros, eu creio que você tem de ser mais de um segundo mais rápido que o carro da frente para tentar ultrapassar alguém.”

“Então esses três ou quatro décimos de vantagem que eu tinha em ritmo sobre o Ricciardo não eram suficientes para estar lado a lado com ele na curva 1. É algo que estamos tentando melhorar, a velocidade máxima, e tenho esperança que estaremos melhores até o final do ano”, concluiu.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar