F1

Sainz descarta veto de Verstappen sobre ida para Red Bull em 2019: “Se fizesse isso, pareceria fraco”

Carlos Sainz Jr não acredita que Max Verstappen tenha alguma relação com sua não ida para a Red Bull em 2019. Em entrevista ao podcast oficial da F1, o espanhol ressaltou que o holandês jamais chegaria aos chefes do time para barrar um possível companheiro de equipe
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Carlos Sainz (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
Carlos Sainz Jr descarta qualquer possibilidade de uma possível ida para a Red Bull ter sido barrada por Max Verstappen. Em entrevista ao podcast oficial da F1, o espanhol disse acreditar que o holandês nunca faria algo assim.
 
O piloto estava na disputa para substituir Daniel Ricciardo no time das bebidas energéticas. Entretanto, a equipe optou por promover o pupilo Pierre Gasly, que hoje disputa na Toro Rosso. Com isso, o #55 vai para a McLaren no próximo ano.
 
Boatos surgiram de que o #33 foi quem barrou a chegada de Sainz depois da breve rivalidade que alimentaram em 2015, quando corriam lado a lado na Toro Rosso. “Não sei, mas eu diria que não [barrou a ida]”, afirmou.
 
“Não acho que os pilotos realmente tenham uma influência nisso. É uma questão muito difícil para se fazer a ele, mas não acredito que ele iria para Helmut [Marko] ou Christian [Horner] para dizer ‘não quero Carlos’”, continuou.
Carlos Sainz (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
“Primeiro de tudo, no momento que você diz isso, você parece fraco, caso você vá para o chefe da equipe e diz que não quer alguém como companheiro, você já parece fraco. Segundo, eu não acho que ele tenha dito isso”, continuou.
 
Carlos seguiu dizendo na entrevista que seu relacionamento com Verstappen era melhor do que muitos pensam. “É um dos grandes enigmas do paddock. Todos pensam que eu e Max nos odiamos, mas é o oposto”, frisou.
 
“Nós nos divertíamos naquele ano, eu juro. Divertíamo-nos muito fora da pista e dentro dela éramos muito competitivos. Sabíamos que estávamos brigando pelas nossas carreiras, por nossa primeira temporada na F1, temporada de estreia. Eu me dei melhor com ele do que a maior parte das pessoas pensa”, completou.
 
Por fim, Sainz explicou como sua ida para a Renault com quatro corridas para terminar 2017 podem ter sido muito mais determinantes na escolha da Red Bull. “Pensei que a escolha mais viável era eles escolherem Pierre, então comecei a ver outras opções”, pontuou.
 
“A verdade é que o momento que deixei a Toro Rosso para ir para a Renult, eu sabia que estava perdendo as chances de ir para a Red Bull. Foi parte da minha decisão, do processo, que eu não queria um quarto ano na Toro Rosso, eu queria ir para a Renault, pois estavam interessados em mim”.
 
“Mas no final, estou convencido que acabou sendo uma boa decisão para mim, estou muito feliz de ter ido para a Renault e ter agora a oportunidade de pilotar para a McLaren no ano que vem”, encerrou.