F1

Sainz fala em adaptação mais rápida na McLaren do que na Renault: “Sinto que estão me ouvindo”

Carlos Sainz Jr está satisfeito com o que alcançou com a McLaren até o momento. O espanhol afirmou que sua adaptação na equipe inglesa está mais rápida do que foi na Renault, ressaltando que todos do time ouvem seus feedbacks

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Carlos Sainz mostrou satisfação com sua rápida adaptação com a McLaren. O espanhol ressaltou que se sentiu confortável na equipe desde o primeiro momento, bastante diferente do que viveu na Renault.
 
O piloto chegou ao time francês no final de 2017, quando saiu da Toro Rosso restando quatro corridas para o encerramento do campeonato. Com as cores da esquadra, conseguiu um quinto lugar no GP do Azerbaijão como melhor resultado.
 
Então, em 2019, passou a integrar a escuderia de Woking. Chegando já entregando bons resultados, aparece liderando o pelotão intermediário no Mundial de Pilotos, na sétima colocação com 18 pontos somados até o momento.
 
“Desde os testes me senti confortável com o carro, com a equipe, não tem sido um longo período de adaptação com a equipe como foi com a Renault. Levou um pouco de tempo para conseguir acelerar com o carro, me acostumar com tudo”, disse.
Carlos Sainz (Foto: McLaren)
“Aqui tem sido bastante simples. E nesta equipe sinto que estão ouvindo meu feedback. Toda vez que comento algo sobre a direção do carro ou em seu desenvolvimento que gostaria de ver imediatamente, uma semana depois tenho pessoas da fábrica ligando e perguntando o que prefiro”, seguiu.
 
“Sinto que estou sendo ouvido muito e que o carro segue a direção que estou revendo, agradeço a equipe nesse lado já que estão me dando muita oportunidade de desenvolver também”, seguiu.
 
Carlos ainda comentou sobre o bom avanço feito pela Renault com seus motores, apesar de já encarar uma possível punição antes das férias. “Acredito que definitivamente há coisas para ser positivo com o motor desse ano”, apontou.
 
“Tivemos um começo de ano difícil na confiabilidade, já estou em minha terceira unidade de potência na sétima corrida e não podemos ficar orgulhosos disso. Provavelmente vou receber uma punição antes das férias, o que não é boa notícia”, continuou.
 
“Mas no quesito de desempenho há finalmente um avanço visto com a Renault que não foi visto nos últimos anos. Então isso nos fez mais competitivos nas retas. Me fez fazer mais ultrapassagens em Barcelona que o carro não conseguia. Também temos um carro eficiente que trabalha bem”, encerrou. 
 

 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.