F1

Sainz nega ressentimento com Renault e diz que anúncio de saída em 2019 deu “motivação extra”

Carlos Sainz Jr. garantiu que não sentiu a notícia de que deixaria a Renault ao final da temporada 2018 e explicou que isso só serviu para querer fechar o ciclo com performances melhores
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Carlos Sainz (Foto: Renault)
Carlos Sainz Jr. faz uma segunda metade de temporada bem competitiva. Após um início em que estava perdendo de lavada para o companheiro Nico Hülkenberg, o espanhol voltou das férias de outra forma e reduziu bastante a desvantagem para os ponteiros do pelotão intermediário. E Sainz explica que a motivação veio do fato de querer encerrar em alta a passagem pela Renault.
 
Sainz comentou que o anúncio de que Daniel Ricciardo o substituirá em 2019 não o abalou, pelo contrário, deu mais vontade de sair em alta com a equipe, por mais que não fosse o comum a acontecer.
 
"Seria muito fácil para mim, depois de saber do meu futuro, apenas querer completar o ano e pensar na temporada que vem, mas eu realmente sentia que faltava fazer algo pela Renault. Não provar nada, mas queria terminar o ano forte. Encontrei motivação extra após as férias, em Spa, para pensar em terminar o ano bem forte com eles", disse ao site norte-americano 'Motorsport.com'.
Carlos Sainz está satisfeito com a volta dos bons resultados (Foto: Renault)
O espanhol admitiu que a Renault deu uma regredida em relação ao forte início de ano em que era quarta força com sobras, mas destacou o fato de estar conseguindo buscar os pontos com Hülkenberg.
 
"Tenho uma relação muito boa com mecânicos, engenheiros e os diretores, então eu queria dar tudo de mim e terminar bem com a Renault. E é exatamente isso que está acontecendo, corridas fortes. O carro não está no mesmo lugar que estava no começo do ano em termos de performance, mas os pontos seguem vindo e estou orgulhoso por isso", seguiu.
 
Sainz também garantiu que, em momento algum, duvidou de sua capacidade e explicou que já sabia que uma hora iria entrar no eixo e voltar a ter bons resultados.
 
"Suzuka, Monza e Singapura acho que foram corridas em que tínhamos performance e aí eu consegui entregar na classificação e na corrida. Precisava mesmo de um tempo para deixar o carro mais do meu jeito, o acerto que eu gosto e as coisas estranhas pararam de acontecer no dia da corrida. Sempre soube que os resultados chegariam uma hora", falou.
Carlos Sainz encostou em Nico Hülkenberg na segunda metade do ano (Foto: Renault)
O piloto do #55 comentou que não sente nenhuma mágoa em relação ao acerto entre Renault e Ricciardo e contou que se mexeu depois que soube que não ficaria com os franceses em 2019. E lá estava a McLaren.
 
"Nunca vão me ouvir falando mal de Ricciardo ou da Renault, meu único desejo era ter um pouco mais de tempo com a equipe e conseguir resultados melhores. Só que a vida nos levou para esse ponto, sigo feliz de andar com o motor Renault pela McLaren e acho que teremos sucesso. Precisava de um plano B por tudo que aconteceu e esse era a McLaren", completou.
 
Sainz, que será parceiro de Lando Norris em 2019, tem 45 pontos anotados, 24 a menos que o companheiro Hülkenberg.

O Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 acontece este ano nos dias 9, 10 e 11 de novembro, no autódromo de Interlagos. Os ingressos para a corrida estão disponíveis no único site oficial do evento: www.gpbrasil.com.br