F1

Sauber retoma azul e amarelo em 'carro brasileiro' para disputa da temporada 2015 do Mundial de F1

A Sauber apresentou nesta sexta-feira (30) o C34, carro 'brasileiro' com o qual vai disputar a temporada 2015 do Mundial de F1. Modelo é azul e amarelo, referência ao Banco do Brasil, patrocinador de Felipe Nasr, mas tem muitos espaços limpos para patrocinadores. Com relação à performance, foco ficou no desempenho nas curvas de baixa, redução do peso e estabilidade nas frenagens

Warm Up / RENAN DO COUTO, de Jerez de la Frontera
De azul e amarelo, a Sauber chega em 2015 ainda na pindaíba, mas lutando com toda a sua dignidade para tentar se recuperar do pior ano de sua história na F1. Com esta finalidade, a equipe suíça apresentou nesta sexta-feira (30) o C34, carro com o qual disputará o Mundial deste ano.
 
Na carenagem, predominam cores que fazem referência ao Banco do Brasil, patrocinador levado ao time por Felipe Nasr. Um 'carro brasileiro'. De todo modo, usar azul e amarelo não chega a ser nada estranho para a Sauber, que por anos teve carros predominantemente azuis na F1 — o último em 2005, antes da fusão com a BMW.

Nasr, novato na categoria após três anos de GP2, contará com a companhia do sueco Marcus Ericsson, que defendeu a Caterham no ano passado. No mais, sobram espaços para potenciais interessados em investir no time.
C34 (Foto: Sauber)
A divulgação das primeiras imagens do bólido foi feita pela internet, com um comunicado divulgado pelo time. E de acordo com o designer-chefe Eric Gandelin, o foco ficou sobre três áreas no desenvolvimento do C34: a performance nas curvas de baixa, redução do peso e estabilidade nas frenagens — alguns dos principais pontos fracos do antecessor, o C33. "Pudemos adquirir muita experiência durante a temporada 2014, agora podemos incorporá-la à Sauber C34", falou.

“A aerodinâmica exerceu um papel central", afirmou o comunicado da equipe. "Não foi só questão de otimizar o downforce e o arrasto, mas também melhorar o equilíbrio do carro e o comportamento nas curvas de baixa. A grande diferença visual para o C33 é vista pelo bico. Este é assim por causa das mudanças no regulamento, o que impacta a aerodinâmica do carro todo. Da mesma forma, o novo design das rodas também otimiza o fluxo de ar ao redor das rodas dianteiras."
 
A equipe também explicou que fez diversos ajustes para acomodar melhor a unidade de força V6 turbo da Ferrari, bem como seus dois sistemas híbridos. Segundo a Sauber, a montagem do motor mudou para 2015. Desta forma, foi preciso fazer uma série de ajustes no chassi. Ao mesmo tempo, é necessário se preocupar com o resfriamento dos elementos do motor — mais de 40 caixas eletrônicas, das quais 30 devem permanecer em baixa temperatura.
 
Apesar disso, as entradas de ar laterais são mais estreitas, mudanças que segundo o time permitiram a acomodação de estruturas laterais de segurança. Mesmo assim, os engenheiros se preocuparam em dar flexibilidade ao sistema de resfriamento, com a intenção de manipulá-lo mais facilmente dependendo das características de um circuito ou da temperatura ambiente.
 
O relatório com as especificações técnicas do carro diz que o peso do C34, com o piloto incluso, é de 702 kg — era 691 kg em 2014, mas a Sauber passava e muito desta marca.
 
A equipe ainda informou que começará os testes em Jerez, a partir deste domingo, utilizando algumas peças do C33 que serão gradualmente substituídas por peças novas. “Vamos aproveitar o tempo até Melbourne para chegarmos lá o mais competitivos que pudermos”, disse Gandelin. O GRANDE PRÊMIO sabe que, durante as quatro primeiras etapas, a Sauber usará a mesma asa dianteira do ano passado, 'disfarçada'. Uma nova só chega a partir do GP da Espanha.

As imagens do C34

 Em 2014, a Sauber foi muito mal. Além de contar com um motor Ferrari que deixou a desejar, o carro havia nascido com problemas fundamentais em seu desenho. Era pesado demais e ainda tinha uma frente que prejudicava muito o desempenho. Assim, pela primeira vez na história, fechou a temporada sem marcar pontos. Adrian Sutil e Esteban Gutiérrez, ambos dispensados ao final do campeonato, jamais fecharam no top-10 — sequer flertaram com a possibilidade. E o resultado foi que a Marussia, mesmo com três corridas a menos, ficou à frente no Mundial de Construtores.
 
Só mesmo com um novo projeto para dar a volta por cima. Acontece que o inverno foi tumultuado, com a falta de dinheiro e de materiais obrigando o time a até interromper a construção do carro. Nos últimos dias, os funcionários trabalharem ininterruptamente para aprontar tudo a tempo da viagem para Jerez para a primeira bateria de treinos coletivos da pré-temporada.
 
A esperança é a última que morre.
CANCELADA!

A Brasília Indy 300, que deveria abrir a temporada 2015 da categoria norte-americana no dia 8 de março, está cancelada. A organização da prova anunciou no fim da tarde desta quinta (29) em um comunicado oficial divulgado para a imprensa. Segundo o Grupo Bandeirantes, a Terracap, Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal, realizou o cancelamento da prova de forma unilateral e informou ao grupo já nesta quinta.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO

Mais sobre a Brasília Indy 300
MP: Contrato da corrida era "maculado de irregularidades" — Leia

Indy fala em "grande desapontamento" — Leia
Castroneves diz que foi "pego de surpresa" — Leia
Flavio Gomes: É um vexame danado 
Leia
Renan do Couto: Pode ser o fim do autódromo de Brasília — Leia
 SAIU DA CAIXA!

A Mercedes tirou da caixa o F1 W06 Hybrid. Nesta quinta-feira (29), o time foi ao circuito de Silverstone, no Reino Unido, para dar as primeiras voltas com o carro que vai utilizar na temporada 2015 do Mundial de F1. Nico Rosberg e Lewis Hamilton participaram da atividade, que oficialmente é registrada como uma filmagem promocional. Ao todo, 18 voltas foram completadas em "condições geladas" no meio da Inglaterra. As primeiras imagens da Flecha de Prata de 2015 em ação foram divulgadas, de forma bem humorada, pela própria equipe no Twitter, com dois pequenos vídeos.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO