F1

Schumacher diz que se sentiu “cômodo” em assinar com academia da Ferrari: “Coração da família é vermelho”

Mick Schumacher, para seguir os passos do pai, Michael, assinou com a Academia de Pilotos da Ferrari no começo de 2019. E afirmou que se sentiu à vontade para tal, apesar da pressão que carrega no sobrenome
Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
 Mick Schumacher foi campeão da F3 Europeia (Foto: Reprodução/Twitter)
A Ferrari confirmou Mick Schumacher em sua Academia de Pilotos no começo de 2019, voltando a ter um membro da família dona de sete títulos mundiais de F1 em seu quadro. Mas nem esse número coloca pressão no filho de Michael, que diz se sentir à vontade em fazer parte da equipe pela qual seu pai se eternizou.

Em entrevista programa de TV 'Mobil 1 The Grid', ele comentou sobre a escolha de entrar para o time ferrarista ao mesmo tempo em que se muda para F2 (pela Prema), um ano após conquistar a F3 Euro.

"Estou muito feliz e é uma honra para mim fazer parte desta incrível história, é genial me vestir de vermelho agora. O coração de nossa família é vermelho e sempre será. É algo com que me sinto cômodo e por isso tomamos essa decisão", falou o jovem de 19 anos.
Schumacher e Vettel (Foto: Corrida dos Campeões)
Sobre o primeiro ano na F2, evitou falar em possibilidades de já avançar para a categoria principal em 2020: "Vamos seguir como sempre fizemos. Seguir aprendendo é o ponto principal das categorias menores. E apesar de estar agora na F2, que é um passo abaixo da F1, é muito importante colher toda informação que eu possa, aprender e, logo, uma vez em condições, usá-las."

Ele ainda comentou sobre a oportunidade que teve de pilotar ao lado de Sebastian Vettel na Corrida dos Campeões: "Foi genial falar com ele."

"Tem muita experiência na F1. Sempre é bom se atualizar com ele e falar de muitas coisas, não só da F1 e da F2, mas também sobre como ldiar com um final de semana de corrida", completou o alemão.