Sem novidades e tentando pontuar, Alonso se recorda de Bianchi no Japão: “Foi um dos dias mais difíceis da minha carreira”

Fernando Alonso acha que é possível alcançar os pontos em Suzuka e confirma que não terá mudanças em seu motor. O espanhol também disse não ter novidades sobre seu futuro na F1 e não esqueceu de mencionar o francês Jules Bianchi: “Foi o pior dia da minha carreira”

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Fernando Alonso chegou a Suzuka otimista. O espanhol da McLaren se mostrou satisfeito com o desempenho da equipe inglesa no GP da Malásia, especialmente porque a pista de Sepang não se mostrava favorável ao conjunto MCL32 Honda. Ainda assim, o colega Stoffel Vandoorne foi capaz de cruzar a linha de chegada em uma forte sétima colocação. Fernando foi o 11º. Assim, Alonso entende que, apesar das características da veloz Suzuka, a esquadra de Woking tem uma chance de disputar a fase final da classificação e buscar novamente os pontos com os dois carros. 

 
"Este é sempre um GP muito especial e ainda mais sendo um piloto da Honda. Não param de chegar presentes", brincou o piloto em declaração aos jornalistas, nesta quinta-feira (5). "Temos alguma esperança, mas, depois do resultado na Malásia, acho que podemos entrar no Q3 e se realmente conseguirmos, os pontos serão possíveis", completou.
Fernando Alonso chegou confiante a Suzuka (Foto: McLaren)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

O asturiano chegou a ter dúvidas se a Honda iria mesmo optar por uma nova versão de seu motor para o fim de semana em casa. Suzuka é uma das pistas de alta velocidade do calendário, com as médias horárias ultrapassando os 230 km/h. E caso a fábrica de Sakura decidisse por uma especificação mais evoluída da sua unidade de potência para Alonso, então o piloto teria de largar do fim do grid, culpa das punições pela troca de componentes do motor. Só que o veterano confirmou que não haverá mudanças e, portanto, nada de sanções.

"Esta é uma corrida importante para nós, dadas as nossas conexões com o Japão. Sem gostei demais desse país, ainda mais agora depois de me tornar um piloto da Honda, apesar de não termos conseguido os resultados que queríamos. Mas, mesmo assim, vamos dar o nosso melhor aqui. Suzuka, definitivamente, é um dos meus circuitos preferidos."

"A melhora do motor é muito pequena e não terá nenhum grande impacto no resultado. Ter os dois carros nas melhores posições possíveis é melhor do que podemos fazer para a corrida de domingo. As opções de ter bons resultados aqui não compensam a pequena evolução. E está muito bem não ter nenhuma punição", explicou o #14, que foi também perguntado sobre seu destino para 2018. E uma vez mais, salientou que ainda não há novidades. "Não há nada de novo no meu futuro", disse.

"Nenhum dos meus chefes estão aqui neste fim de semana. O momento de anunciar a minha decisão está próximo e espero que a minha opção seja correta."

 
Por fim, o bicampeão do mundo lembrou de Jules Bianchi, de quem era muito próximo. O francês sofreu um grave acidente em Suzuka, durante o GP do Japão de 2014, e não resistiu às lesões cerebrais. Bianchi morreu quase um ano depois do incidente. "É impossível não se lembrar de Jules aqui. Foi um dos dias mais difíceis da minha carreira", falou Fernando.

GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades da F1 no Japão AO VIVO e em TEMPO REAL, com livetiming e gráfico interativo.

HÁ ESPERANÇA?

MESMO COM RESULTADO RUIM, VETTEL GANHA FORÇA NA MALÁSIA  

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube