Sem planos de parar, Kovalainen admite atuação ruim na Lotus: “Não entendo como pude errar tanto”

Aos 32 anos, Heikki Kovalainen ainda não pensa em entregar os pontos na F1 e fala em estar mais preparado caso tenha uma nova chance. Finlandês destacou boa oportunidade na Lotus, mas reconheceu que não conseguiu tirar vantagem do bom carro que teve

Heikki Kovalainen teve a chance de provar seu valor correndo pela Lotus em Austin e no Brasil, mas acabou com um problema nas mãos. Escalado para substituir Kimi Räikkönen, que precisou passar por uma cirurgia nas costas na reta final do Mundial de F1, o finlandês não conseguiu mostrar um bom desempenho com o bólido preto e dourado e agora terá ainda mais trabalho para garantir um posto no grid.
 
Cotado para assumir uma vaga de titular na Caterham em 2014, o piloto reconhece que não tirou proveito da oportunidade que teve em Enstone, mas garante que não se arrependeu de ter substituído Räikkönen. 
Kovalainen avaliou que tempo afastado pode ter prejudicado seu desempenho (Foto: Beto Issa/GP Brasil F1)
“No início, eu não estava correndo. Aí, quando corri, não fui bem”, lembrou Kovalainen em entrevista ao jornal finlandês ‘Turun Sanomat’. “No geral, este foi um ano ruim”, avaliou. 
 
“Foi uma grande oportunidade. O carro era realmente bom, mas eu simplesmente não consegui tirar vantagem disso em momento algum”, avaliou o piloto de 32 anos. “Foi muito mais difícil do que eu poderia ter previsto. Não entendo como pude cometer tantos erros. Talvez tenha sido a falta de rotina ou o longo tempo afastado das corridas”, considerou. 
 
Mesmo decepcionado com seu desempenho, Kovalainen ainda se recusa a pendurar o capacete e fala em se preparar mais caso tenha outra oportunidade. “Se alguém me quiser, terei que estar muito, muito mais pronto para correr”, concluiu. 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube