Senna não continua na Williams em 2013 e deposita suas chances de seguir na F1 na Force India

Com uma temporada inconstante, Bruno Senna já foi avisado que não vai ficar na Williams em 2013. Agora, o piloto tem como prioridade ocupar a vaga que se abriu na Force India com a saída de Nico Hülkenberg. Para isso, precisa pelo menos de US$ 20 milhões – que podem vir de Eike Batista

► Revista Warm Up: Por que Schumacher não foi o mesmo?

Bruno Senna correu o último GP na Índia já sabendo que qualquer esforço homérico ou resultado que obtivesse seriam insuficientes para mantê-lo na Williams no ano que vem. O jornalista Américo Teixeira Jr., do ‘Diário Motorsport’ e colunista da Revista Warm Up, e o Grande Prêmio podem confirmar que a equipe já avisou ao brasileiro que seu cockpit terá novo dono na próxima temporada.

Décimo colocado em Buddh e com um desempenho bom na corrida depois de mais uma classificação problemática, Bruno tem tido uma temporada inconstante. Aqui e ali até conquista pontos, chegando a 26 no ano, mas viu seu companheiro Pastor Maldonado vencer uma prova com o FW34 – e só não fez mais que seus 33 por seu comportamento arisco que lhe rendeu uma série de punições e acidentes. Claro que a Williams precisa também do aporte que Senna leva, mas todas as apostas recaem sobre o finlandês Valtteri Bottas, atual piloto reserva da equipe. Toto Wolff, um dos acionistas do time, é empresário de Bottas.

O melhor resultado de Senna na Williams foi um sexto lugar no GP da Malásia (Foto: Williams F1/LAT Photo)

Senna chegou à Williams depois de menos de meia temporada na Lotus Renault, devolvendo a ‘derrota’ que sofreu para Rubens Barrichello quando ambos disputaram uma vaga na Brawn em 2009. Seu desempenho na Malásia, onde terminou em sexto, foi seu ponto alto no ano e parecia mostrar que Bruno se tornaria figura constante nas primeiras posições, o que não aconteceu – também devido aos altos e baixos do carro.

Bruno tem se mostrado muito calmo, diferente do que aconteceu nesta época do ano passado. Suas chances se recaem a duas equipes: Force India e Caterham. Os indianos estão mergulhados em dívidas, na figura do chefe Vijay Mallya. Sua empresa aérea, a Kingfisher, naufragou. Um dos pilotos, Nico Hülkenberg, está de saída para a Sauber. Paul di Resta deve ser confirmado pelas boas relações da equipe com a Mercedes. A outra vaga vai ser disputada a tapa, mas segundo soube o GP, é um golpe de US$ 20 milhões. Dinheiro do qual Senna não dispõe. A não ser que Eike Batista, um de seus patrocinadores e bilionário, apareça forte na jogada.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube