carregando
F1

Senna recusou Williams para 1992 por fidelidade à Honda, revela ex-agente

Ayrton Senna teve a chance de guiar o ‘carro do outro planeta’ que consagrou Nigel Mansell em 1992. Mas o tricampeão optou por ficar na McLaren naquela temporada muito por conta do seu vínculo com a Honda. A transferência para a equipe de Grove só aconteceu na temporada 1994

Grande Prêmio / Redação GP, de Sumaré
Ayrton Senna ficou a uma assinatura de ter às mãos a oportunidade de pilotar o FW14, ‘o carro do outro planeta’, com o qual Nigel Mansell conquistou o título do Mundial de F1 em 1992 de forma absoluta. Ex-agente do tricampeão do mundo e atual empresário de Sergio Pérez, Julian Jakobi fez a revelação ao podcast oficial da F1 na última quarta-feira (29). O britânico contou que a recusa de Senna à proposta da Williams foi motivada pela fidelidade à Honda e, mais especificamente, ao presidente da montadora japonesa na época, Nobuhiko Kawamoto.
 
Na análise de Jakobi, Senna preferiu continuar na McLaren por considerar que a fábrica japonesa foi com ele para a equipe britânica, em 1988, e que a Honda foi muito importante para a conquista dos seus títulos mundiais.
Nigel Mansell dominou a temporada 1992 e faturou o título por antecipação (Foto: Williams)
À época, a montadora manteve seu projeto na F1 até o fim de 1992 antes de encerrar mais um ciclo na categoria. Neste ano, Mansell varreu a concorrência e dominou o campeonato com nove vitórias e 14 poles em 16 corridas, sacramentando a conquista do título no GP da Hungria, com cinco GPs de antecipação.

Na temporada seguinte, a McLaren contou com a Ford-Cosworth como fornecedora de motor. Senna só assinou mesmo com a Williams no fim de 1993, depois que Alain Prost definiu sua aposentadoria após chegar ao tetracampeonato com o time de Grove. 
Ayrton Senna recusou a chance de se transferir para a Williams em 1992 (Foto: Reprodução)
O período de Ayrton no time fundado por Frank Williams, entretanto, durou somente poucos meses e três GPs, sendo interrompido com o acidente fatal sofrido no GP de San Marino em 1º de maio de 1994.
 
“Ayrton queria ir para a Williams, mas era fiel à Honda”, contou Jakobi. “Seu instinto o deixou fora da Williams antes, mas ele era uma pessoa fiel, em especial a [Nobuhiko] Kawamoto, que era o presidente da Honda. Ele era alguém muito próximo porque a Honda tinha se unido à McLaren em 1998 e vencido três títulos juntos”, explicou.
 
Jakobi ressaltou que Senna já percebia o desempenho descendente da Honda naquele período, o que contrastava com a ascensão da Williams. Tanto que Mansell lutou pelo título com o brasileiro até o GP do Japão de 1991. “Lembro que ele me disse, mesmo no fim de 1991, quando venceu seu terceiro título, que sentia que a Honda já não era o que havia sido antes e que ele estava preocupado com o futuro”.
Senna só foi para a Williams em 1994 (Foto: LAT Photographic/Williams)
“Em 1991, lembro que fui para Spa com dois contratos para Ayrton: um para a McLaren e outro para a Williams. Ayrton sabia que ele deveria ter ido para a Williams e que tínhamos os dois contratos prontos para a assinatura”, disse o agente, que revelou ter ficado surpreso com o gesto do brasileiro no fim de agosto daquele ano ao assegurar sua permanência na McLaren, recusando, assim, a chance de mudar de ares e de assumir o carro que dominaria a temporada seguinte da F1.
 
“Pensei que ele ia assinar com a Williams no domingo pela manhã. Mas, na noite anterior, ele conversou com Kawamoto no Japão. E então, na segunda-feira pela manhã, ele me disse: ‘Vou ficar outro ano’. E ele ficou na McLaren em 1992, mas poderia ter corrido neste ano com a Williams, e provavelmente Nigel não estaria lá, e esse foi o ano em que ele conquistou o título. Mas Ayrton deu um passo atrás e Mansell ficou”, finalizou.


 
Aproveite e siga o canal do GRANDE PRÊMIO no YouTube.

Paddockast #58
COMO SERIA O GRID DA F1 SEM PILOTOS DA F1?


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.