Pérez na Red Bull é ascensão merecida após tirar de letra pelotão médio da Fórmula 1

Sergio Pérez já fez tudo que podia fazer com carros médios. Se há alguém menos badalado que pode acompanhar Max Verstappen, é ele. A Red Bull pensou fora da caixa e acertou em cheio na escolha para a temporada 2021 da F1

Enfim, Sergio Pérez é piloto da Red Bull. O anúncio veio após uma série de reviravoltas, incluindo momentos que favoreciam a renovação de Alexander Albon ou até mesmo uma surpresa com o resgate de Nico Hülkenberg. Nada disso aconteceu, abrindo mão para algo raro na Fórmula 1: justiça. É que Pérez finalmente terá equipamento para mostrar do que é capaz, isso após tantos anos de destaque com equipes médias.

Essa ascensão foi escrita por linhas tortas, é bem verdade. Meses atrás, o mexicano de 30 anos fazia de tudo para segurar a vaga na Racing Point, que vai se tornar Aston Martin em 2021 com amplo investimento. Só que Sebastian Vettel tomou para si o lugar, depois da demissão na Ferrari. A decisão da chefia da equipe rosa pelo alemão, no entanto, é mais do que compreensível. Na nova fase, imagina-se que ter um tetracampeão nas garagens serve como garantia de compromisso. Mas quem fez a vida de Sergio tomar outro rumo foi realmente Albon.

A série de decepções do anglo-tailandês na Red Bull abriu uma rara chance a Pérez, em um caminho que já parecia fechado em definitivo. Mas não foi só isso, sejamos justos. O mexicano fez muito por merecer. Mesmo perdendo duas corridas em 2020 por conta do contágio pelo novo coronavírus, teve atuações sólidas que culminaram com uma belíssima vitória no GP do Sakhir, depois de cair para último na volta inicial.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Sergio Pérez conquistou uma dramática primeira vitória na F1 no GP de Sakhir (Foto: AFP)

O ‘em definitivo’ soa dramático, mas é o que acontece com a maioria dos pilotos. Cair para o pelotão intermediário e por lá ficar, à deriva, tende a ser algo permanente. Uma vez sendo marcado apenas como o cara que só pontua bastante, é difícil ter uma ascensão como essa. As equipes de ponta já têm estrelas que empilham vitórias e, salvo problemas, jovens pilotos engatilhados para quando for necessária a transição. Pérez não estava no radar de nenhum peixe maior do grid há uns cinco anos.

A sorte é que uma equipe grande tinha o tal problema do parágrafo anterior. A Red Bull ainda não conseguiu substituir Daniel Ricciardo, por exemplo. Pierre Gasly fracassou em 2019 e Albon repetiu a dose em 2020. Max Verstappen comeu os dois vivos, e não há mais ninguém maduro para assumir essa responsabilidade. É aí que entra ‘Checo’, sua experiência e velocidade.

Não é difícil entender o que a Red Bull viu em Sergio. O mexicano brilhou em 90% das empreitadas na carreira na F1. Sauber? Três pódios em dois anos, com direito a chances reais de vencer um GP. Force India? Quatro pódios em três anos e meio, além do prêmio simbólico de evitar a falência da escuderia. Racing Point? Nada menos do que uma vitória. O único asterisco é a passagem malfadada pela McLaren em 2013. Mesmo assim: o que mais falta para Sergio alcançar no pelotão médio? Isso mesmo, nada.

Alexander Albon enfrentou dificuldades em 2020 e acabou perdendo a vaga na Red Bull (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)

Quando olharem para o grupo intermediário da década passada, Pérez será um de seus personagens mais icônicos. Isso ao mesmo tempo em que é um dos mais venerados desse grupo em particular. E o mais legal é que a melhor parte pode estar ainda por vir.

É possível que Pérez seja massacrado por Verstappen, assim como Gasly e Albon? Sim, claro. Pierre é exemplo ótimo disso, sendo capaz de brilhar apenas na mediana AlphaTauri. Mesmo assim, é difícil não acreditar em um mexicano brigando regularmente por pódios, assumindo que a Red Bull siga no nível visto em 2020.

Mesmo que ‘Checo’ sofra, alguns banhos de champanhe ainda virão. No fim das contas, até Albon conseguiu isso. Essa serenidade de que até mesmo um trabalho mediano renderá resultados de destaque é algo único na carreira de Pérez, algo que precisa ser muito bem aproveitado. E será.

Ouça os programas do GRANDE PRÊMIO no formato de podcast:
Anchor | Apple | Spotify | Google | Pocket Cast | Radio Public | Breaker

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube