Silverstone é fronteira final para Mercedes reagir. Se fracassar, resta só catimba

Com última grande atualização do ano prometida para Silverstone, Mercedes precisa sacudir status quo e mostrar enorme evolução. Do contrário, participa de grande valsa da Red Bull até dezembro

▶️ POR QUE RUSSELL É A MELHOR OPÇÃO PARA A MERCEDES. Assista!

Com um calendário de 23 etapas, é correto dizer que ainda há longa estrada pela frente até Abu Dhabi, em dezembro, quando a temporada 2021 vai a cabo. Nem metade do ano chegou, sequer as férias de verão na Europa, mas é hora de cair na real. Se a Mercedes não mostrar reação – e reação importante, concreta – no GP da Inglaterra, a Red Bull viverá um longo desfile de cinco meses até o primeiro título mundial em oito anos.

E não, não se trata de uma afirmação hiperbólica para abrir a semana com manchete bombástica e capitalizar nas redes sociais. Não é aquela bobajada do tudo pelo buzz – dia desses, por exemplo, um sujeito disse na TV que Diego Maradona não era isso tudo, imagina, não dá para entender tantos elogios. Mas conhecemos bem – o sujeito e o método. Não se trata disso. É uma avaliação baseada nos fatos.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

ANÁLISE: Com Norris, McLaren já tem necessário para enfrentar Mercedes e Red Bull

Fatos. Vamos a eles. A Red Bull venceu cinco corridas seguidas e as últimas três em pistas que, pelo menos assim se esperava, a Mercedes teria certa vantagem. Max Verstappen só não levou tudo porque o ingrato pneu estourou a algumas voltas do fim no Azerbaijão, mas Sergio Pérez estava lá para garantir o controle da equipe. No momento, a Red Bull é superior em todas as configurações de pista imagináveis: curvas lentas e velozes, retas longas, mais e menos carga aerodinâmica, gerenciamento dos pneus. Tudo, tudo mesmo.

A Mercedes foi estocada pela mudança derradeira nas regras em cima de um carro que já se aproximava da morada final, no crepúsculo da validade, o último ano em que será colocado na pista. Desde que estes carros passaram a valer, em 2017, adaptados ao que se fazia desde 2014, a Mercedes triturou oposição, discussão e todo o resto, mas o corte do assoalho para diminuir o downforce se provou demais. Por conta das características da traseira de seu carro, a Mercedes precisou reconstruir o bólido. Os problemas, pois, vêm desde o nascituro.

Talvez em outros anos, sob outras condições, a situação se colocasse de maneira diferente. A Mercedes, afinal, à essa altura sabe bem os defeitos que a assombram. Se esses carros valessem para o ano que vem e o futuro, o trabalho seria imparável na tentativa de construir uma ponte para a Red Bull, distante, quase no outro lado de um oceano após quatro meses de temporada. Mas não é o caso.

Lewis Hamilton perdeu ainda mais terreno para Max Verstappen na Áustria (Foto: Mercedes)
Paddockast #111 | Elétricos, combustível sintético e barulho: como a F1 vê os novos motores

É um fato também que a Mercedes tomou a decisão de voltar seu trabalho para o carro do ano que vem, fruto de nova geração e, assim, com características inteiramente diferentes. Vale para ela e para todas. Assim, como já alardeado pelo chefe Toto Wolff, as atualizações secarão mais cedo do que tarde. O que resta? Resta aquilo que já estava na agulha, desenhado há meses para tentar se vitaminar e incomodar a rival. É onde entra o pacote de atualizações do GP da Inglaterra, provavelmente a última grande atualização da equipe nesta temporada.

Igualmente fato é que a Red Bull caminhou meio arco-íris e enxergou que pote de ouro é real, diferente da caminhada colorida da Ferrari em 2017 e 2018. Aquele arco-íris era miragem, não tinha pote d’ouro algum no que foi uma rua sem saída para os italianos. A Red Bull já enxerga o prêmio e, sozinha, precisa somente cumprir a caminhada.

Por isso, vai demorar mais para parar suas atualizações. Para o inferno com 2022, que vai sendo desenhado em paralelo, contando mais com sorte que com juízo e na expectativa de que, como os motores estarão congelados, qualquer outro defeito pode ser consertado com o carro em movimento. Afinal, corre-se para ser campeão e demorou oito anos para que a chance do título tirasse a marca dos energéticos para valsar num glamour como daquelas noites luxuosas da Ópera de Viena da Belle Époque.

Fundamental e ponto de partida desta análise é: qual a potência das atualizações da Mercedes? “Temos um pouco delas por vir, mas elas não vão reduzir a diferença o bastante. Precisamos trabalhar um pouco”, falou Lewis Hamilton em entrevista veiculada pela revista britânica Autosport.

Siga o GRANDE PRÊMIO nas redes sociais:
YouTube | Facebook | Twitter Instagram | Pinterest | Twitch | DailyMotion

Ao contrário de Hamilton, o principal engenheiro da Mercedes, Andrew Shovlin, pensa com algum fiapo de otimismo. “Estamos com o foco em Silverstone. Teremos uma boa atualização vindo, o que é muito animador. Estamos focando no público na corrida de casa, com certeza terão muitos fãs do Lewis, e lá é uma pista onde nosso carro vai bem”, falou.

Fato – e aqui ele aparece novamente – é que Verstappen tem 32 pontos para Hamilton. Se dominar e vencer na Inglaterra, ainda que Lewis seja segundo e faça a volta mais rápida, terá 38, com mais 13 corridas pela frente.

Caso a Mercedes apresente um carro em franca evolução e deixe de capitalizar os pontos por um acaso do destino, então ainda tem chance de seguir de pé na briga, ainda que num buraco grande. Mas se o panorama de França e Áustria se repetir, com a Red Bull léguas à frente e com controle da situação, então pode dar o beijo de boa noite. Mesmo uma vitória com muita sorte e azar cataclísmico da Red Bull nessas condições será difícil de comemorar. O que a Mercedes precisa é de um carro que possa competir, que esteja no páreo.

TOTO WOLFF; MERCEDES; GP DA ESTÍRIA;
É agora, Toto Wolff: ou dá ou desce (Foto: LAT Images/Mercedes)

E se não estiver? Bom, a capacidade da Mercedes de dividir o centro do palco será calcada em novos episódios de catimba, como os que já surgiram. A Mercedes é uma péssima perdedora, que reclama da asa que se diz que move, que sugere ganhos ilegais de potência, que põe na roda que o fato da Red Bull ser capaz de colocar o pescoço na frente demonstra irregularidades diversas em algum lugar impossível de provar mas que existe. Existe, é só procurar, mas quem procurou não achou ainda.

O campeonato mostra que é evidente: a Mercedes seguirá criando causo enquanto seguir sofrendo. Quando não estiver vigiando algum ardil, será justificando a importância de se preparar para o ano que vem, porque sai na frente, porque a Red Bull vai ficar para trás, porque larga esse 2021 aí, sô, ninguém quer saber dele.

Sem novas grandes atualizações daqui para frente, é agora ou nunca. Silverstone dita em que frequência caminha a dinastia até o fim do ano: na pista ou no gogó?

Verstappen aplica novo domínio e vence: os melhores momentos do GP da Áustria (GRANDE PRÊMIO com Reuters)

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar