‘Sobrevivente’, Sauber comemora 400 GPs de sua história durante fim de semana nos Estados Unidos

Fundada em 1970 pelo lendário Peter Sauber para fazer parte do Mundial de Esporte Protótipo, a equipe suíça fez sua estreia na F1 em 1993. Pelas suas garagens já passaram grandes nomes do esporte, como Kimi Räikkönen, Felipe Massa, Robert Kubica, Jacques Villeneuve e até Sebastian Vettel. Hoje, o time é defendido pelos jovens Felipe Nasr e Marcus Ericsson

Com exceção das tradicionalíssimas Ferrari, McLaren e Williams, a Sauber é a equipe com mais GPs disputados na F1 atual. A equipe sediada na cidade suíça de Hinwil comemora neste fim de semana, no GP dos Estados Unidos, o 400º GP de sua história de 23 anos na categoria. História que traz bons momentos, sobretudo na revelação de grandes talentos para a F1 e que sobrevive mesmo em meio a um esporte que exige cada vez mais em termos de orçamento.

Pelas mãos do lendário Peter Sauber, a equipe nasceu em um país onde as corridas são proibidas desde 1955, em razão do desastre ocorrido nas 24 Horas de Le Mans daquele ano. A Sauber foi criada em 1970 para disputar o Mundial de Esporte Protótipo, a versão antiga do que hoje é o Mundial de Endurance (WEC).

Na F1, a Sauber fez sua estreia na temporada 1993. Para entrar no grid da principal categoria do automobilismo, o time contava com o importante suporte da Mercedes. A aliança de sucesso no Mundial de Protótipos teve sequência nos primeiros anos de F1, com a fábrica alemã fornecendo os motores. Os belos carros pretos eram pilotados naquele ano por Karl Wendlinger e JJ Lehto. E foi justamente o finlandês o responsável pelos primeiros pontos da equipe, já na corrida de estreia, no GP da África do Sul, no circuito de Kyalami.

Estreia da Sauber na F1 em 1993. JJ Lehto marcou os primeiros pontos da equipe (Foto: Sauber)

Desde então, muitos pilotos já passaram pela equipe. A história de 23 anos, que compreende também o período em que a Sauber foi arrendada para a BMW, passando a se chamar oficialmente BMW Sauber F1, contou com os brasileiros Pedro Paulo Diniz, Felipe Massa e, atualmente, tem em seus boxes o jovem Felipe Nasr. Outros tantos pilotos de sucesso passaram pela equipe de Hinwil como Heinz-Harald Frentzen, Johnny Herbert, Jean Alesi, Kamui Kobayashi, Sergio Pérez, além da maior revelação do time em sua história, Kimi Räikkönen.

A história de Räikkönen na Sauber vale ser lembrada. A Red Bull, que era a patrocinadora principal da equipe em 2001, exigiu a contratação de Enrique Bernoldi para a equipe. Mas Sauber ficou impressionado com o desempenho do jovem Kimi, que pulou direto da F-Renault para a F1 e bancou sua contratação. E o finlandês logo virou um dos melhores pilotos de sua geração, culminando com a conquista do título mundial em 2007, pela Ferrari.

A grande revelação da Sauber na F1: Kimi Räikkönen, que estreou somando pontos na Austrália (Foto: Sauber)

Foi durante o período em que foi controlada pela bávara BMW que a Sauber conquistou seus melhores resultados. Graças a Robert Kubica, a equipe comemorou sua única vitória na F1, no GP do Canadá de 2008. Aí Sauber reassumiu o controle da sua equipe, que anos depois passou a ser o primeiro time da F1 a ser chefiado por uma mulher: a advogada indo-austríaca Monisha Kaltenborn, a quem Peter Sauber confiou a missão de comandar o time de Hinwil.

Um ano antes, em 2007, no tempo em que era controlada pela BMW, a Sauber protagonizou a estreia de outra grande estrela da F1. Kubica havia sofrido um terrível acidente durante o GP do Canadá daquele ano e, portanto, não tinha condições de correr no GP dos Estados Unidos, que seria realizado na semana seguinte. Então, Sebastian Vettel, que vinha trabalhando como terceiro piloto nos treinos de sexta-feira, foi convocado para substituir o polonês. E em sua primeira corrida, terminou em oitavo, somando assim seu primeiro ponto na F1.

Nos últimos anos, a equipe teve de lidar com grandes dificuldades econômicas para sobreviver na F1. Mas mesmo com a vida cada vez mais difícil para os times independentes do grid, a Sauber consegue se sustentar e permanecer com sua missão de revelar talentos para o esporte.

Como BMW Sauber, a primeira vitória, com direito a dobradinha: Kubica venceu em Montreal, seguido por Heidfeld (Foto: BMW)

Massa, que correu pela Sauber em 2002 e, depois, entre 2004 e 2005, disputou 53 GPs pela escuderia, marcando 27 pontos. O hoje piloto da Williams guarda boas lembranças dos tempos de Hinwil. “Minha época na Sauber é especial para mim porque foi o começo da minha carreira na f1. No geral, fiquei três anos lá, vivendo na Suíça e aprendendo muito no carro. Tive alguns bons resultados e pontuei logo na segunda corrida da minha primeira temporada. Meu grande momento foi no Canadá em 2005, quando terminei em quarto, mas nós tivemos muitas boas performances nos anos em que estive lá. Tenho grandes lembranças”, destacou.

Nasr, ao lado de Ericsson, é quem agora é o encarregado de dar sequência à história da Sauber na F1. O brasiliense recordou o quinto lugar na sua estreia como piloto da categoria. “Meu melhor momento na Sauber foi, definitivamente, na minha primeira corrida na F1, em Melbourne. Terminar em quinto essa corrida foi um momento muito especial. Foi também um excelente resultado. Foi algo impressionante para mim e também para a equipe. Todo mundo ficou aliviado e feliz com o resultado”, disse Felipe, que, com o resultado, fez a melhor estreia de um piloto brasileiro na história da F1.

Jacques Villeneuve e Felipe Massa foram parceiros em 2005. Em Montreal, Massa marcou seu melhor resultado na Sauber (Foto: Sauber)

“Tenho ótimas lembranças disso. Com a Sauber sendo parte da F1 por tantos anos, é uma grande conquista comemorar os 400 GPs. Estou orgulhoso por fazer parte deste marco”, comemorou o brasileiro.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube