Sonhando com F1, pilota reserva da Williams defende mulheres: "Olhe o Vettel. Você vê um cara grande?"

Susie Wolff rebate argumento habitualmente utilizado para afastar mulheres da categoria: a falta de força física. Para ela, o tricampeão mundial também não é dotado de grande massa muscular. "Meu corpo se tornou mais fortes nos lugares certos", explicou a escocesa

 
Susie Wolff, pilota reserva da Williams, segue em busca de um lugar na F1. A escocesa de 30 anos fez sete temporadas pelo DTM – entre 2006 e 2012 – e, anteriormente, já havia tido longa trajetória por categorias de base na Europa.
 
Ansiosa por uma oportunidade na própria Williams, a esposa de Toto Wolff – sócio da equipe e diretor da Mercedes – rebateu o usual argumento de que as mulheres não têm capacidade física para guiar em alto nível um carro de F1. 
Susie Wolff e Sebastian Vettel: força física equivalente? (Foto: Williams)
Curiosamente, no entanto, o exemplo encontrado pela britânica foi o atual tricampeão mundial da categoria: "Olhe o tamanho do Sebastian Vettel. Você vê um cara grande, musculoso?", afirmou ao jornal britânico 'The Observer'.
 
"Eu sei que as mulheres têm menos músculos do que os homens. E no DTM, tive que treinar mais pesado. Mas estive no kart desde muito jovem, e ano após ano, meu corpo se tornou mais forte nos lugares certos", explicou Susie.
 
A última mulher a participar de um fim de semana de F1 foi Giovanna Amati. Em 1992, com uma Brabham, a italiana tentou se qualificar para os GPs da África do Sul, do México e do Brasil, sem sucesso. 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube