F1

Substituído por Wolff no posto de CEO a partir de abril, Fry segue ligado à Mercedes como consultor

A Mercedes confirmou nesta sexta-feira (22) a substituição de Nick Fry por Toto Wolff no posto de CEO a partir de abril. Antigo dirigente segue ligado ao time, atuando como consultor na área comercial

Warm Up / Redação GP, de São Paulo

Em busca de melhores resultados na F1, a Mercedes segue promovendo mudanças em seu quadro de funcionários e confirmou na manhã desta sexta-feira (22) a saída de Nick Fry. O dirigente, que atuou pela equipe nos últimos 11 anos, será substituído por Toto Wolff no posto de CEO a partir do início de abril. 
 
Apesar da mudança, Fry seguirá ligado à equipe, atuando como consultor na área de operações comerciais. Nick se disse privilegiado por fazer parte da história do time e lembrou os bons resultados obtidos pela escuderia no setor comercial. 

Wolff assume posto de CEO no início de abril (Foto: Mercedes)

As informações do GP da Malásia em tempo real
Especial F1 2013, a temporada imprevisível
A volta virtual em Sepang, narrada por Massa
As imagens desta sexta-feira na Malásia

“Me sinto muito privilegiado por ter tido a oportunidade de trabalhar com o nosso time nos últimos 11 anos e continuo extremamente orgulhoso por termos levado o time a sua primeira vitória e, especialmente, ao duplo Mundial em 2009”, declarou. “Igualmente importante é o sucesso de nossas atividades comerciais, já que conseguimos ganhar o apoio de algumas das mais importantes companhias do mundo, construindo assim uma fundação sólida para o futuro sucesso do time”, ressaltou. 
 
“Acredito que a Mercedes oferece a melhor opção de patrocínio na F1 e estou ansioso para continuar a ajudar o time e seus parceiros nos próximos anos”, completou. 
 
Wolff aproveitou para agradecer a dedicação de Fry ao longo da última década e assegurou que a Mercedes manterá uma boa relação com seus investidores. 
 
“Eu gostaria de agradecer ao Nick pelos mais de dez anos de serviços ao time em Brackley”, disse Wolff. “A Mercedes tem uma forte rede de relações globais, parceiros lucrativos que querem ser associados a Mercedes-Benz na F1 e vamos trabalhar duro para manter nossos leais parceiros, enquanto também atraímos novos nomes para o esporte no futuro. Fico feliz que Nick continuará próximo ao time para nos ajudar a atingir essas metas”, concluiu.