Terceiro, Vettel exalta grande largada e ritmo de corrida, mas admite que bandeira vermelha “não ajudou”

Sebastian Vettel fez uma largada espetacular no GP da Austrália deste domingo (20), mas não conseguiu se segurar na primeira ou na segunda colocação. Caiu, errou no fim e terminou com o lugar de quase sempre: o terceiro

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Que largada fez Sebastian Vettel no GP da Austrália que abriu a temporada da F1 neste domingo (20). O alemão mergulhou do terceiro lugar com toda a moral do mundo e assumiu a ponta passando como quis por Lewis Hamilton e Nico Rosberg. O ritmo não permitiu que ele se mantivesse na frente para o resto da corrida – nem em segundo. Um erro no final ainda sacramentou o terceiro lugar decepcionante para abrir o ano.
 
A saída foi provavelmente a melhor dele desde que chegou a Maranello. Claro que o GP da Hungria de 2015 salta à cabeça, mas a facilidade com que mergulhou chamou a atenção. E Kimi Räikkönen foi junto enquanto as Flechas Prateadas se mostravam completamente atordoadas.
Sebastian Vettel durante o terceiro treino livre em Melbourne, na Austrália (Foto: Getty Images)

“Eu só fui. A largada foi incrível e conseguimos estabelecer um ritmo", destacou Vettel, que abriu 2016 com um pódio. "Mas a bandeira vermelha não nos ajudou”, reclamou. E com razão: a intervenção desmanchou a vantagem que o alemão havia construído ao longo do primeiro terço de corrida.

Na 14ª volta, Seb entrou e saiu de pneus de listras vermelhas, os supermacios. Se segurou na frente com Rosberg logo atrás e esperando abrir. Mas o acidente de Fernando Alonso e Esteban Gutiérrez e a bandeira vermelha subsequente deixaram todo mundo muito perto.

 
Rosberg se aproveitou disso e ficou à espreita. Vettel foi aos boxes para não ser perder mais tempo na volta 36. Mas não havia maneira de retornar à liderança depois disso. Hamilton ainda se recuperou e ganhou a posição nos boxes. Vettel perseguiu Lewis no final e parecia destinado a passar pelo segundo posto, mas errou, saiu da pista e precisou se contentar mesmo com o último lugar do pódio. 

Vettel reconhece que a estratégia adotada em Melbourne não foi a mais usual, talvez nem a mais adequada. Mas o alemão está longe de querer culpar a Ferrari.

Teve briga entre Ferrari e Mercedes? Sim, principalmente na estratégia (Foto: Getty Images)
“Fomos para a abordagem agressiva, talvez já sabendo que poderíamos ter feito as coisas de outro jeito. Mas não vou culpar ninguém”, afirmou.

Apesar da estratégia ter ficado devendo, o tetracampeão acredita que seu carro de 2016, assim como a Ferrari como um todo, está em condições de ameaçar a Mercedes com maior frequência.

 
“A equipe parece estar em boa forma. Sabemos que somos capazes de fazer mais, e queremos colocar pressão na Mercedes. Este e o carro certo, vai nos deixar colocar muita pressão nesses caras”

A F1 continua em duas semanas, em 3 de abril, com o GP do Bahrein em Sakhir. Lewis Hamilton foi quem venceu por lá em 2015 e 2014.

VEJA A EDIÇÃO #20 DO PADDOCK GP, QUE ABORDA F1, MOTOGP, INDY E F-E

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube