F1

Trocado por Albon na Toro Rosso, Hartley lamenta deixar grid da F1 com “negócios não resolvidos”

A primeira manifestação de Brendon Hartley após demissão na Toro Rosso veio em tom de lamento, mas também com ares de esperança. Lamentando a perda da vaga para Alexander Albon, Hartley quer evoluir no momento de dificuldade
Warm Up / Redação GP, de Berlim
 Brendon Hartley (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
Brendon Hartley não segue na Fórmula 1 em 2019, mas ainda não dá o sonho por encerrado. O neozelandês, trocado por Alexander Albon na Toro Rosso ao fim da primeira temporada completa, ainda vê “negócios não resolvidos” na categoria.
 
O comentário vem através das redes sociais, onde Hartley se manifestou pela primeira vez desde o anúncio da decisão da Toro Rosso. O lamento da falta de oportunidade de seguir adianta na F1 veio junto da esperança da evoluir em momento de dificuldade.
 
“Eu deixei o autódromo [de Yas Marina] no domingo de cabeça erguida”, disse Hartley. “Tenho muito orgulho da minha história e da minha jornada, mas fico com a sensação de que tenho negócios não resolvidos na F1. Isso vai ficar parado por enquanto. Já passei por quebra-molas antes e acredito muito que situações difíceis te tornam mais forte”, seguiu.
Brendon Hartley não segue na F1 em 2019 (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
“Também ajuda que eu tenho grande apoio de amigos, família e esposa na Nova Zelândia. Quero agradecer ao Rich, meu treinador, e aos quase 500 funcionários da Toro Rosso com quem eu batalhei e curti trabalhar nessa temporada. Todos os engenheiros, mecânicos, marketing, comunicação, logística, pessoal de fábrica e, claro, todos da Honda. Eu agradeço muito o apoio dos fãs ao redor do mundo. Ainda tenho muitas páginas para escrever em minha história e vou fazer o melhor para aproveitar oportunidades no futuro”, continuou.
 
Hartley acumulou 25 GPs entre o fim de 2017, quando foi chamado como substituto, e 2018. Os resultados não foram dos mais empolgantes: Brendon terminou no top-10 três vezes, somando 4 pontos ao todo. Pierre Gasly, companheiro de equipe fechou o campeonato com 29 tentos.
 
Sem vaga na F1, Hartley ainda precisa definir planos para 2019. O neozelandês fez carreira no endurance, inclusive vencendo as 24 Horas de Le Mans e o Mundial de Endurance, mas já estava de partida para a Indy com a Ganassi quando uma oportunidade de última hora surgiu na Toro Rosso.