Bottas revela que cogitou desistir da F1 em 2018 por “não conseguir vencer Hamilton”

Valtteri Bottas revelou que teve momentos difíceis na Mercedes por não conseguir se igualar a Lewis Hamilton e, por isso, chegou até mesmo a pensar em desistir da Fórmula 1

FÓRMULA 1 2022: VERSTAPPEN VENCE NO CANADÁ. BI VEM QUANDO? | Paddock GP #292

Com 10 temporadas de Fórmula 1, Valtteri Bottas aceitou o desafio de fazer parte do time da Alfa Romeo em 2022. Só que, se dependesse dele há uns anos, ele já estaria aposentado da maior categoria de automobilismo do mundo. E a ‘quase’ decisão partiu de seus anos ainda na Mercedes, quando o finlandês cogitou encerrar a carreira após as dificuldades mentais por ser derrotado por Lewis Hamilton.

Bottas, que chegou à equipe em 2017, contabilizou 10 vitórias, 20 poles-position e 58 pódios com os alemães. Mas a disparidade para o desempenho de seu então companheiro de equipe o fez pensar em parar de correr — decisão que foi revertida quase aos 45 minutos de segundo tempo.

“No final de 2018 quase parei. Só pelo fato de que eu não conseguia entender e aceitar que não consegui vencer Lewis naqueles dois anos”, revelou ele, em entrevista ao podcast My Big Break da Motor Sport Magazine. “Coloquei muita pressão em mim mesmo. No final de 2018, especialmente quando comecei a ter o papel de segundo piloto na equipe, eu realmente não aguentei, eu realmente lutei. Não foi divertido. As últimas quatro ou cinco corridas de 2018 foram muito dolorosas. Você deveria curtir a F1, é muito legal, mas não foi nada disso”, seguiu.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

O GP da Rússia de 2018 foi marcado por uma ordem de equipe da Mercedes (Foto: Mercedes)

LEIA MAIS: Verstappen elogia disputa com Sainz após vitória no Canadá: “Voltas muito divertidas”

“Eu decidi fazer uma pausa na América do Sul em algum lugar e tentei não pensar na F1 e tentar encontrar a vontade e a alegria para o esporte e a motivação. Eu encontrei – foi como um clique em um ponto. Mas foi depois do ano novo, provavelmente em meados de janeiro ou algo assim, que decidi: ‘Ok, vamos fazer isso, ainda posso fazer isso.’ Então eu consegui me recompor e encontrei a alegria de guiar novamente”, acrescentou.

Em 2018, Valtteri terminou o campeonato na quinta posição do Mundial de Pilotos, sem vitórias e num ano fortíssimo de Hamilton. Depois de ter encontrado forças para seguir na F1, ele vê que 2019 foi gratificante, já que finalizou como vice-campeão, com vitórias e líder do campeonato por boa parte da temporada.

“Imediatamente os resultados foram muito melhores do que em 2018. Na verdade, acho que o ano seguinte, em 2019, foi provavelmente minha melhor temporada até agora, especialmente contra Lewis – ganhei algumas corridas e até a metade da temporada, às vezes, liderava o campeonato, então foi um ano muito forte. Mas não consegui igualar a consistência e o desempenho geral de Lewis durante toda a temporada”, explicou.

“A mente humana é estranha de certa forma. Às vezes você entra em lugares escuros e perde a alegria das coisas. Perdi completamente a alegria da F1 e de correr na F1. Eu estava quase com raiva na F1, é estranho. Eu só precisava de um tempo de folga. Pensei nas coisas de uma forma geral e então percebi que na verdade é um esporte muito legal e ainda tenho grandes oportunidades pela frente, então seria bobo não aproveitá-las”, encerrou.

Agora, na escuderia de Hinwil, Bottas tem desafios, metas e resultados diferentes. Ainda assim, já conseguiu bons pontos na temporada: está na oitava posição do campeonato, com 46 pontos. A próxima etapa da F1 2022 é o GP da Inglaterra, em Silverstone, entre os dias 1-3 de julho.

QUAL O LIMITE PARA VERSTAPPEN NA FÓRMULA 1 2022?
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Escanteio SP.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar