Bottas vê 2020 de aprendizado e diz que pandemia ensinou que dá para viver sem F1

Valtteri Bottas refletiu sobre o estranho ano de 2020 dentro e fora das pistas. O finlandês de 31 anos falou sobre o quanto aprendeu sobre direitos humanos, diante do posicionamento de Lewis Hamilton e da Mercedes

Vice-campeão em 2020, Valtteri Bottas terminou a temporada a 124 pontos do heptacampeão Lewis Hamilton. O finlandês de 31 anos não foi capaz de se colocar na luta pelo título contra o companheiro de Mercedes, mesmo em um ano em que a equipe alemã dominou amplamente a Fórmula 1. Valtteri venceu apenas duas vezes e foi pole em cinco oportunidades. E jamais esteve em uma disputa direta com o britânico. Apesar disso, o dono do carro #77 entende que deu passos importantes no ano que acabou nesta semana e aprendeu lições que pretende carregar consigo para o novo campeonato.

O nórdico fez um balanço dos erros e acertos e entende que conseguiu melhorar ao menos um dos pontos que queria. “Certamente, ainda tenho muito trabalho pela frente. Mas diria que, em 2020, o ritmo de corrida em geral foi um pouco melhor.”

“Eu aprendi muito nessa temporada e, olhando para o quadro geral, tivemos coisas boas e muitas lições. E todas as coisas positivas que fiz nesta temporada, agora quero levar comigo neste ano. Vamos tentar de novo”, afirmou o piloto, que reconheceu ainda que o ano passado o fez repensar sobre o mundo fora das pistas também. E que tirou lições diante dos impactos da Covid-19, além dos protestos contra o racismo.

LEIA TAMBÉM
+Retrospectiva 2020: Versão 3.0 de Bottas fracassa miseravelmente. E nem vice salva ano
+Retrospectiva 2020: Leão de treino, Russell prova do que é feito ao volante da Mercedes

A temporada 2020 foi marcada pelas manifestações contra o racismo, e Bottas esteve ao lado de Hamilton nos protestos (Foto: Reprodução/Twitter)

A pandemia do novo coronavírus forçou a Fórmula 1 a adotar uma série de medidas para tentar não só evitar o contágio dentro do paddock, mas principalmente para garantir a sobrevivência do campeonato. Além das decisões quanto ao regulamento novo, que entraria em vigor neste ano, mas que vai ficar para a próxima temporada, a maior das categorias do esporte também mexeu em teto orçamentário e premiações, sem contar a mudança no calendário de 2020, que acabou reduzido de 22 para 17 corridas. O ano passado também foi marcado pela campanha ‘We Race As One’ por maior diversidade no esporte e pelos protestos contra o racismo. Questionado pelo GRANDE PRÊMIO sobre como 2020 o afetou fora do carro da Mercedes, Bottas revelou que os efeitos do isolamento ensinaram que há muito mais a se pensar e fazer longe do ambiente da F1.

“Acho que as coisas começaram a ficar realmente estranhas em março, quando as corridas foram canceladas. Eu voltei para Mônaco, mas sabia que não teríamos nenhuma prova por meses, então resolvi ir para a Finlândia. Particularmente, a principal lição deste ano foi que, mesmo sem Fórmula 1, há muitas coisas legais para se fazer. E isso me deixou muito feliz”, respondeu o nórdico durante entrevista promovida pela Petronas, parceira da Mercedes.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

“Foi bom aprender que é possível viver sem F1 uma vez. Na verdade, foi tudo bem. É claro que muita coisa neste ano foi colocada sob perspectiva. Por exemplo, não há garantias de que você vai ser saudável sempre. Ninguém realmente sabe o que o futuro reserva. Também aprendi muito sobre todas as questões que envolvem os direitos humanos. Então, acho que foi um ano de muito aprendizado mesmo”, completou.

A Mercedes decidiu apoiar as manifestações de Hamilton contra o racismo e trocou a tradicional cor prata dos carros pelo preto em 2020.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar