F1

Vencedor, Ricciardo mantém pés no chão, mas diz pensar em título “enquanto for matematicamente possível”

A terceira vitória na temporada, segunda seguida, deu a Daniel Ricciardo o fim do aspecto de zebra e começo de olhos abertos para uma possível briga pelo título. Diferença entre ele e Lewis Hamilton caiu para 35 pontos

Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
A cobertura completa do GP da Bélgica no GRANDE PRÊMIO
As imagens do domingo da F1 em Spa-Francorchamps
O passo a passo da 12ª etapa do Mundial de F1
icone_TV Automobilismo na TV: a programação do fim de semana

Pela terceira vez na temporada, Daniel Ricciardo foi quem passou pela quadriculada na dianteira, tomando das senhoras do campeonato, as Mercedes, a vitória numa pista em que o roteiro era que ou Nico Rosberg ou Lewis Hamilton levassem as flechas prateadas de volta às vitórias, após não conseguirem na Hungria.
 
A sorte sorriu para o australiano após o toque entre as duas Mercedes logo no início, que tirou Hamilton da briga e atrapalhou Rosberg. Enquanto isso, Ricciardo passou Alonso e Vettel e, de repente, liderava mais uma vez. Com uma Red Bull surpreedente rápida nas retas, conseguiu abrir vantagem e administrar o #3 para levar ao fim.
454074382
"Vejo coisas boas pela frente se marcarmos o máximo de pontos possível. Nos dá mais esperança para as provas que ainda vêm na temporada, como Cingapura e Suzuka, para citar duas. É ótimo, estamos motivados, foi um excelente dia para nós numa pista onde não esperávamos conseguir o máximo de pontos. Vou continuar sorrindo, mas com os pés no chão. Monza vai ser complicada, mas as atualizações que trouxemos para cá funcionaram bem, então, se levarmos algo daqui para as próximas corridas será bom", disse.
 
Algumas semanas atrás poderia parecer impensável sequer imaginar algo assim, mas no momento, Ricciardo pode olhar para frente no Mundial de Pilotos com a calculadora na mão. Com 156 pontos, está 35 tentos atrás de Hamilton e 64 de Rosberg. Com sete corridas no calendário, o sorridente piloto diz crer na possibilidade.
 
"Se eu chegar a Abu Dhabi com uma diferença menor do que 50 pontos, sim. Ainda tem algumas corridas. Definitivamente, enquanto ainda for matematicamente possível, vou seguir lutando. Vir aqui e roubar alguns pontos que não deveríamos ter é legal. O mais importante agora é olhar para a frente e capitalizar em circuitos onde podemos ser fortes. Se tirarmos o maximo de pontos em umas duas, nunca vai acabar", seguiu.