Verstappen critica falta de ação no GP da Austrália e dispara: “Se fosse um telespectador, teria desligado a TV”

Max Verstappen não ficou nada feliz por não ter conseguido passar Fernando Alonso nas voltas finais do GP da Austrália e com a falta de ultrapassagens como um todo ao longo da corrida do último domingo. O holandês não foi o único insatisfeito. Lewis Hamilton mostrou ter o carro mais rápido, mas não conseguiu se aproximar de Sebastian Vettel o bastante para retomar a liderança da corrida

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Prova de abertura da temporada 2018 da F1, o GP da Austrália teve pouca ação ao longo das suas 58 voltas. O ponto de virada aconteceu quando a direção de prova acionou o safety-car para remover a Haas de Romain Grosjean. O fato mudou a história da corrida e deu a Sebastian Vettel a chance de ganhar a liderança de Lewis Hamilton na estratégia. Também neste período, Fernando Alonso ganhou a posição de Max Verstappen, que tentou de todas as formas, mas não conseguiu passar o espanhol, cruzando a linha de chegada em sexto lugar.

 
O holandês se mostrou bastante insatisfeito com a falta de ação e de ultrapassagens durante a corrida. E comparou a dinâmica da prova com a da pista mais travada do calendário. Mesmo tendo um carro notoriamente mais rápido que a McLaren de Alonso, Max não conseguiu passar. O mesmo exemplo se aplica, por exemplo, a Hamilton na tentativa frustrada de passar Vettel.
Max Verstappen bem que tentou, mas não conseguiu passar Fernando Alonso (Foto: McLaren)
“Foi como em Mônaco. Mesmo se você for 1s ou 1s5 mais rápido, você não consegue ultrapassar. Como telespectador, teria desligado a TV. E até que alguma coisa mude, vai continuar sendo assim”, disparou Verstappen em entrevista ao site ‘F1i.com’.
 
O jovem de 20 anos evitou culpar as características do circuito de Albert Park. E lembrou que o traçado de Melbourne já chegou a ter corridas mais empolgantes do ponto de vista de ultrapassagens, diferente de 2018. “Se tem de mudar o circuito? Acho que eles deveriam fazer alguma coisa com os carros, porque antigamente ultrapassar não era um problema aqui”.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A falta de ultrapassagens é um problema crônico da F1, como já reconheceu Ross Brawn em algumas oportunidades. O maior downforce dos carros a partir do ano passado, quando foi adotado um novo regulamento técnico, acaba por resultar em turbulência no bólido que vem de trás e tenta se aproximar. Assim, por mais que se tenha um carro mais rápido que o rival, a ultrapassagem torna-se quase impossível durante a corrida.

 
Hamilton foi além e fez uma analogia interessante ao abordar o tema. “É como se minha mãe ou meu melhor amigo estivessem à beira de um precipício e eu não pudesse chegar até eles, mesmo que tentasse com todas as minhas forças e meu talento. Talvez na próxima corrida seja diferente”, disparou o tetracampeão do mundo e segundo colocado em Melbourne.
"RECOMEÇA A BRIGA"

MERCEDES COMEÇA TEMPORADA AINDA À FRENTE DA FERRARI

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube