Verstappen diz que “nada mudou” após Cingapura, mas não descarta ceder posição no futuro “se tudo estiver claro”

Max Verstappen afirmou que a conversa pelo rádio nas voltas finais do GP de Cingapura não foi clara o bastante, mas garantiu que não foi criada uma tensão interna na Toro Rosso após sua recusa em obedecer a uma ordem dos boxes. Ele espera que a situação não se repita no futuro, mas disse que, se tudo for tratado com maior clareza, pode aceitar abrir caminho

Tudo bem, tudo bom, dentro da Toro Rosso após o polêmico fim de GP de Cingapura que a equipe viveu no último domingo. Na chegada a Suzuka para o GP do Japão do próximo domingo, o piloto Max Verstappen garantiu que tudo ficou claro dentro do time italiano após sua recusa em obedecer a uma ordem dos boxes. Por outro lado, admitiu que, em uma situação semelhante, mas que tenha tudo mais claramente definido, não teria problemas em permitir a passagem de Carlos Sainz.

Brigando com Sergio Pérez pela sétima posição, Verstappen tinha logo atrás, com pneus mais novos, o companheiro de equipe Carlos Sainz. Dos boxes, o time ordenou-lhe que deixasse o espanhol passar, mas o holandês respondeu que não.

Max Verstappen também esteve na coletiva da FIA nesta quinta-feira em Suzuka, no Japão (Foto: AP)

Logo após a prova, Franz Tost, chefe do time, já havia falado que a decisão do jovem holandês de fato foi compreensível, e Verstappen tratou de deixar claro o porque de sua recusa apresentando argumentos que vão além de uma simples questão de ego.

"Eu posso dizer que nada mudou na nossa relação", declarou a respeito de Sainz e da Toro Rosso. "Eu estava tentando passar o Checo, estava muito perto, e olhando nos espelhos também, e não me pareceu que ele [Sainz] estava perto o bastante para tentar e decidi ficar ali. Tivemos uma conversa na equipe, tudo ficou claro e estamos prontos para correr aqui no Japão."

Mais tarde, ele brincou dizendo que seu pai, o ex-piloto Jos, lhe daria um chute no saco caso ele tivesse saído da frente do colega. Todavia, Max não descartou ser parte, no futuro, de uma tática como a que a Red Bull empregou no GP de Mônaco: pediu para Daniil Kvyat deixar Daniel Ricciardo passar para tentar brigar pelo terceiro lugar; uma vez que o australiano não conseguiu ir ao pódio, devolveu o quarto lugar para o russo.

"Uma coisa é que precisávamos ter sido um pouco mais claros no rádio. Espero que não aconteça de novo, mas, se acontecer, vamos ver. Se tudo estiver mais claro, certamente", acrescentou.

No fim, Verstappen terminou mesmo em oitavo depois de um problema que o deixou parado no grid e o fez perder uma volta em relação aos líderes no início do GP. Ele conseguiu descontar essa volta na primeira intervenção do safety-car.

"Eu realmente curti a minha corrida. A largada foi desapontadora, mas depois tivemos um grande ritmo no carro. Atacamos, conseguimos pontos e fiquei bem feliz com isso", comentou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube