F1

Verstappen diz que “não se importa” com punição da FIA por agredir Ocon: “Só não quero parecer idiota”

Max Verstappen terá que cumprir dois dias de “serviços comunitários” para a FIA como punição por ter agredido Esteban Ocon após o GP do Brasil - no qual ambos se tocaram na pista. E para o holandês, a única coisa que interessa é que ele não “seja feito de tonto” pela entidade
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Max Verstappen (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)

A FIA decidiu, logo após os empurrões dados por Max Verstappen em Esteban Ocon,  ao fim do GP do Brasil, que o holandês terá que cumprir dois dias de "serviços comunitários" para a entidade - em Interlagos, o piloto da Red Bull agrediu o adversário da Force India após julgá-lo culpado pelo toque entre ambos na pista, momento que lhe tirou a vitória em São Paulo.

Na espera do que será feito, Verstappen só sabe de uma coisa: não quer ser feito de idiota pela FIA - palavras dele.

"Definitivamente não vou parecer um tonto. Acredito que, de todo jeito, já não me tratam muito assim, então encontraremos algo adequado, porque só não quero parecer um idiota", afirmou, durante entrevista ao 'Motorsport'.

"Discutiremos, entre equipe e FIA, o que vamos fazer. Se estou de acordo com a punição realmente não importa, não é verdade? O que posso fazer a respeito? Acho um pouco demais, mas sim, encontraremos uma solução", seguiu o irritado holandês.
Max Verstappen em Abu Dhabi 2018 (Foto: Red Bull Content Pool)
Ele ainda conseguiu provocar a FIA, dizendo que ficou em quarto no Mundial de Pilotos "de propósito" para não precisar ir até a festa de premiação da entidade.

"Dois pontos atrás de (Kimi) Räikkönen, mas ao menos não preciso ir até a festa. Calculamos isso, perdão. A não ser que eu posso ir e que conte como um dos dias de serviço comunitário, assim eu vou. Vou fazer algumas coisas de relações públicas antes e darei um discurso especial de noite", finalizou o provocador piloto.

Verstappen, de fato, terminou com 249 pontos, contra 251 do ferrarista. Se tivesse vencido em São Paulo, teria terminado em terceiro na classificação e seria obrigado a estar na premiação da FIA.