F1
07/07/2018 06:35

Vettel diz que “F1 não é a coisa mais importante da vida” e brinca com estilo de vida simples: “É normal ser normal”

Dono de estilo de vida totalmente oposto ao do seu maior rival na temporada, Lewis Hamilton, Sebastian Vettel reafirma sua simplicidade em entrevista ao diário britânico ‘The Guardian’: “Sou um esportista, não uma celebridade”. O alemão tetracampeão do mundo diz que prefere ser reconhecido pelo que faz nas pistas, mas ser piloto de F1 “não define quem eu sou”, disse
Warm Up / Redação GP, de Sumaré
 Sebastian Vettel (Foto: Ferrari)

No último dia 3 de julho, Sebastian Vettel completou 31 anos. O alemão é um dos grandes nomes do esporte na atualidade e na história e também é dono de uma personalidade bastante discreta, em total contraste com seu maior adversário nas pistas nos últimos anos, Lewis Hamilton. Diferente do piloto da Mercedes, habitué do showbiz, amigo de celebridades e ele próprio uma celebridade, Vettel prefere ser reconhecido pelo que faz. No entanto, deixa claro que ser piloto de F1 não é algo que o define como pessoa. “Não me sinto especial por causa do trabalho que faço”.
 
De acordo com o site ‘Total Sportek’, o salário de Vettel como piloto da Ferrari é de cerca de R$ 115 milhões por temporada e mais bônus por conquista, que poderia chegar a quase R$ 200 milhões se o alemão conquistar o título da F1 nesta temporada. No entanto, o alemão lembra que prefere manter uma vida simples, longe dos holofotes e sem maiores excentricidades.
Sebastian Vettel reafirma seu estilo de vida simples e diz que ser piloto de F1 não o define como pessoa (Foto: AFP)
“Não me sinto especial por causa do trabalho que faço. É parte de mim, é minha identidade, mas seria uma resposta errada se você me perguntasse: ‘Quem é você?’. E eu diria: ‘Eu sou um piloto de F1’. Eu sou várias outras coisas também. Isso não me define como pessoa”, declarou Seb em entrevista veiculada pelo diário britânico ‘The Guardian’ na última quinta-feira (5).
 
“Estou feliz em fazer coisas que as pessoas acham chatas, mas para mim não são, como estar em casa cortando a grama. Eu cozinho, não tão bem, mas de vez em quando. Vou para a escola, vou para o shopping, pego metrô e ônibus”, declarou.
 
Casado há tempos com uma companheira de longa data, Hanna Prater, Vettel tem duas filhas, Emily e Mathilda, que jamais foram apresentadas ao público pelo piloto. Seb garante que as herdeiras já viram algumas das suas corridas ‘in loco’, mas das arquibancadas. E diz que prefere que seja assim, com discrição. Enquanto não acelera ao redor do mundo ou está a trabalho em Maranello, passa a maior parte do tempo com a família em uma fazenda onde vive, na Suíça.
 
“Sou um esportista, não uma celebridade. Então, quando vou para algum lugar e alguém me reconhece, acho que ele está interessado no esporte e não na maneira como eu faço meu cabelo ou quais sapatos estou usando ou alguma besteira qualquer”, brincou o alemão.
 
No entanto, Vettel deixa claro sua abordagem competitiva quando está dentro do carro e baixa a viseira do capacete. E se mostrou feliz por travar a rivalidade com Hamilton, com os dois buscando um objetivo em comum: o pentacampeonato da F1.
 
“Isso é algo que você quer, você quer estar em uma rivalidade. Você quer estar nesta posição, então você pode lutar pela vitória. Essa é a maior satisfação, claro, e é muito mais intensa quando é algo bastante acirrado”, declarou o piloto, que lembra a importância da F1. Que não é, no fim das contas, a coisa mais importante da sua vida.
 
“Obviamente, a F1 é a grande parte da minha vida, mas não é a coisa mais importante. Não é quem eu sou, é o que eu faço. Elas estão ligadas, mas o importante é que isso não define quem eu sou”, afirmou o tetracampeão, tranquilo e feliz por ser do jeito que é.  “Eu acho que é normal ser normal”, concluiu.
UMA DAS MELHORES CORRIDAS DO ANO

ABANDONO DE HAMILTON RECOLOCA VETTEL NO CAMINHO DO PENTA