Vettel diz que vitória na Austrália foi “melhor remédio” para Ferrari, mas freia euforia: “Mercedes ainda é favorita”

Sebastian Vettel reconheceu que a Ferrari ressurgiu muito mais competitiva em 2017, depois de um forte desempenho apresentado em Melbourne na vitória logo na corrida de abertura do ano. O tetracampeão, entretanto, freou o entusiasmo e afirmou que a Mercedes segue favorita

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Sebastian Vettel não escondeu que a vitória no GP da Austrália, que abriu a temporada 2017 há pouco menos de duas semanas, foi "o melhor remédio" para a Ferrari. Depois de um ano conturbado no campeonato passado, a equipe italiana ressurgiu forte e foi capaz de se impor frente à poderosa Mercedes, que dominou a F1 nos últimos três anos. O tetracampeão, porém, tratou de frear o entusiasmo ao falar das expectativas para a corrida deste fim de semana, em Xangai, na China. Para Vettel, a esquadra prateada continua favorita.

 
Falando aos jornalistas nesta quinta-feira (6), o líder do Mundial afirmou que a "escuderia vermelha evoluiu e está em uma posição muito melhor" que em 2016. "As pessoas estão mais tranquilas e confiantes. Vencer em Melbourne foi muito bom, especialmente para as pessoas que ficaram a noite toda trabalhando no carro: foi o melhor remédio para todos", disse o ferrarista.
 
"Para toda a equipe foi um fim de semana fantástico, e para mim também", reiterou. "Com uma essa nova geração de carros, normalmente na primeira corrida, a gente tem muito trabalho. E essa foi a melhor forma de começar a temporada. Creio que foi um dia muito especial, a prova foi fantástica não só para os torcedores, mas também para todos na fábrica em Maranello. Foi uma grande recompensa depois de todo o trabalho na pré-temporada. Quando cheguei à fábrica, o pessoal estava muito feliz e com gana de continuar melhorando. Era o que precisávamos desde a primeira corrida. Significa muito", destacou.
Sebastian Vettel (Foto: AFP)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);
Ainda assim, Seb acha que a equipe a ser batida segue sendo a Mercedes, que colocou seus dois pilotos no pódio no Albert Park. E entende que é impossível prever o desempenho ferrarista no circuito chinês. "A China é uma pista completamente diferente da Austrália. É um circuito com curvas de alta velocidade, possui uma grande reta, é um traçado muito exigente e também bastante complicado para os pneus em particular. É um GP cheio de surpresas, não dá para saber o que pode acontecer", explicou o piloto.

 
"Portanto, a Mercedes ainda é favorita. Tivemos uma primeira corrida muito forte, mas há um monte de coisas que precisamos fazer para acompanhá-los também", emendou.
 
E que diferença faz a Gina
 

Por fim – e aproveitando o entusiasmo com a primeira vitória com a nova SF70H -, Vettel foi chamado também a falar sobre os nomes que dá a seus carros e se isso não tem a ver com o momento vivido pela equipe. E Seb foi sincero: "Eu dou nome ao meu carro, mas não é como se fosse fazer um carinho pela manhã quando eu chego ou ligar para saber como está."

O GP da China, o segundo do campeonato, acontece neste fim de semana, e o GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades em Xangai AO VIVO e em TEMPO REAL.

 

PADDOCK GP #72 TRAZ ÁTILA ABREU E DISCUTE ETAPAS DA STOCK CAR, F1, INDY E MOTOGP

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube