Vettel não dá chance aos adversários e larga na frente no 100º GP da carreira no Texas. Alonso é oitavo

Sebastian Vettel vai largar na pole-position no GP dos EUA, em Austin, ao superar Lewis Hamilton nos instantes finais do treino classificatório. Fernando Alonso, único que pode impedir o título do alemão, sai em oitavo

► As imagens da F1 deste sábado na pista de Austin, nos EUA

Quando a F1 esteve nos EUA pela última vez, ainda em Indianápolis em 2007, coincidentemente Sebastian Vettel estreava na categoria. Agora as posições se inverteram. Quem debuta no campeonato é o novíssimo Circuito das Américas, em Austin, enquanto o piloto da Red Bull já é um atleta formado. Neste sábado (17), os torcedores americanos puderam conferir de perto no que o alemão se tornou. Sem se importar com os desafios, Vettel não deu chances aos adversários e cravou a pole-position para o GP dos EUA, com a marca de 1min35s657.

Sebastian Vettel crava a pole em Austin (Foto: Red Bull/Getty Images)

A segunda colocação ficou com Lewis Hamilton, mas o inglês já é um velho conhecido da torcida norte-americana. Além de volta e meia fazer uma aparição nos EUA por causa de um patrocinador, foi o britânico que venceu aquela corrida de 2007 em Indianápolis. Desse vez no entanto, o piloto da McLaren foi obrigado a se contentar com segundo posto no grid, sendo apenas 0s109 mais lento.

Mark Webber não conseguiu se aproveitar do bom desempenho da Red Bull, ficando com a terceira colocação, seguido pelos dois carros da Lotus, com Romain Grosjean e Kimi Räikkönen, respectivamente. O francês, no entanto perderá cinco posições no grid por ter trocado o câmbio e vai largar em nono.

Na sequência apareceram Michael Schumacher, Felipe Massa, Nico Hülkenberg, Fernando Alonso e Pastor Maldonado. Bruno Senna foi o 11º, enquanto Jenson Button, com problemas no motor, ficou de fora ainda no Q2 e larga apenas em 12º.

Vettel sobra e Rosberg escapa de vexame em Austin

Com temperatura do ar na casa dos 21ºC e da pista, em 31ºC, a sessão classificatória teve início exatamente ao meio-dia no Texas, 16h pelo horário de Brasília. Os primeiros carros a deixarem os boxes de Austin foram da quase falida HRT. Pedro de la Rosa e Narain Karthikeyan, sob a sombra da ameaça de ficarem de fora da corrida, registraram as primeiras voltas cronometradas da sessão classificatória, ambos com pneus médios e andando na casa dos 1min45s. Os grandes favoritos, entretanto, ainda seguiam nos pits.

Sem a presença dos três principais times da F1 na pista, o destaque momentâneo ia para a Lotus, com Romain Grosjean na frente — sendo o primeiro a andar abaixo de 1min40s — e Kimi Räikkönen completando a dobradinha. Mas não demorou muito para que todos os pilotos, com exceção de Kamui Kobayashi, fossem de fato para o treino, quando faltavam 13 minutos para o encerramento do Q1.
 

Reta principal da pista de Austin (Foto: Getty Images)

Logo na primeira volta rápida, Massa subiu para segundo com 1min39s943, 0s5 mais rápido que Alonso. Os dois carros da Ferrari estavam com pneus duros, assim como os outros pilotos das equipes de ponta, que optaram por poupar os compostos mais rápidos para o fim da classificação.

O treino estava bastante intenso, com todos os pilotos na pista e com grande alternância nas posições da tabela de tempos. Grosjean, na maior parte do tempo, seguiu na liderança, que chegou a ser ocupada também por Bruno Senna. Faltando cinco minutos para o fim do Q1, era impossível saber ao certo quem poderia ficar de fora. Mas era estranho que os dois carros da Mercedes, de Nico Rosberg e Michael Schumacher, estavam bem lentos, assim como Kamui Kobayashi.

Aí veio Sebastian Vettel e tratou de se posicionar no seu lugar habitual neste fim de semana norte-americano: a ponta do treino. Com 1min37s165, o alemão colocou 0s3 de vantagem para Grosjean usando pneus duros. Em seguida, foi a vez de Mark Webber fazer uma grande volta e subir para segundo. Grojsean, Maldonado e Massa fechavam o rol dos cinco primeiros.

No grupo dos ameaçados pela degola, os mesmos de sempre. Depois de Schumacher fazer um tempo decente, Rosberg estava bem perto de ser eliminado ainda no Q1, junto com Timo Glock, Charles Pic, Vitaly Petrov, Heikki Kovalainen, De la Rosa e Karthikeyan. Lá na frente, Vettel chegou a ser superado por Hamilton, que marcou 1min37s058, mas deu o troco no britânico e o superou em exatos 0s500, mostrando quem é que manda no Velho Oeste.

Na ‘bacia das almas’, Rosberg, que nem de longe lembra o vencedor do GP da China, completou uma volta salvadora e se garantiu no Q2, relegando Daniel Ricciardo para o grupo dos eliminados do treino. Ainda assim, Nico ficou só com o 17º tempo, resultado péssimo para a Mercedes.

Vettel, Hamilton, Webber, Grosjean, Bruno Senna, Maldonado, Jenson Button, Massa, Nico Hülkenberg e Schumacher foram os dez mais rápidos do Q1. Bom desempenho, principalmente, dos carros da Williams no início da tarde no Texas. Fernando Alonso, apagado, foi só o 11º.

‘Xerife’ Vettel dita as regras no Q2; Senna e Button deixam classificação

Aliviado pela volta salvadora e por ter escapado da degola ainda no Q1, Rosberg foi o primeiro a deixar os boxes no Q2, seguido por Räikkönen, Maldonado e Bruno Senna e o restante do grid, com exceção de Vettel, Webber, Kobayashi e Pérez.

Kimi marcou, de cara, 1min37s672, tempo que fatalmente despencaria com a sequência do treino. Quem vinha com bom rendimento era a Williams. Senna, em sua segunda volta rápida, anotou 1min38s131. Mas era apenas o começo do Q2, e muitos outros pilotos tinham condições de melhorar suas respectivas marcas.

Alonso, apenas em 14º, tentava chegar entre os primeiros. Mas havia uma Mercedes no meio do caminho. Michael Schumacher, que atrapalhou a volta de Massa no terceiro treino livre, ficou bastante lento e à frente do carro de Alonso, que gesticulou muito contra o heptacampeão, que se despede da F1 na semana que vem.
 

Felipe Massa (Foto: Ferrari)

Hamilton conseguiu encaixar uma boa volta e subiu para a ponta ao marcar 1min36s795. Mas não era o suficiente. Em seguida, o avassalador Vettel não deixou por menos. Rei do Velho Oeste, o alemão mostrou que está disposto a garantir o tricampeonato mundial em Austin. Ao estabelecer 1min35s971, Sebastian parecia imbatível. Prova disso é que, pouco depois, ele conseguiu baixar seu tempo em quase 0s2. Webber, que havia passado Hamilton e subido para segundo, era quase 0s8 mais lento que o companheiro de equipe no Texas.

Mas a Ferrari tentava de todas as formas pelo menos amenizar o prejuízo. Massa e Alonso vinham em volta rápida e conseguiram registrar tempos antes de o cronômetro zerar. Mas foi o brasileiro que se deu melhor. Em sua última volta no Q2, Felipe marcou 1min36s546, 0s753 acima do tempo de Vettel. Temporariamente, Massa ficou em segundo, mas caiu para terceiro graças à melhora de Webber, 0s502 mais lento que o dominante Sebastian. Alonso, por sua vez, ficou apenas em nono.

Senna ficou exatos 0s2 de Räikkönen, décimo colocado e último a avançar ao Q3. O piloto da Williams realizou uma boa volta, mas não conseguiu repetir a performance do Q1 e vai largar em 11º. Bruno liderou a lista dos eliminados na sessão e ficou à frente de Button — com problemas mecânicos, mais uma vez, no MP4-27 —, Di Resta, Vergne, Pérez, Kobayashi e Rosberg, que encerrou um sábado frustrante nos Estados Unidos.

Hamilton vira ameaça, mas Vettel ratifica domínio e segue ‘invicto’

Apesar de estar em franca decadência, Schumacher conseguiu algo raro na temporada: fazer uma classificação melhor que a de Rosberg. Enquanto Nico amargava uma eliminação precoce, o heptacampeão se garantiu no rol dos dez primeiros do grid. E foi exatamente o veterano o primeiro a deixar os boxes no Q3. Seu gesto foi seguido por Hamilton, Alonso, Massa, Grosjean e Pastor Maldonado. Pouco depois, Webber, Vettel, Räikkönen e Hülkenberg também foram à pista.

Graças ao rendimento dos pneus e à falta de aquecimento dos pneus, os bons tempos de volta vinham a partir do segundo ou terceiro giro. Grosjean marcou 1min37s227, mas foi facilmente superado por Webber e, depois, por Hamilton, que anotou 1min36s209. Mas claro, faltava o dono do fim de semana, Vettel, registrar sua volta.
 

Sebastian Vettel vai fazer o 100° GP de sua carreira em Austin (Foto: Red Bull/Getty Images)

Mesmo sofrendo com a falta de aderência da pista, o alemão da Red Bull cravou o melhor tempo do Q1 com extrema facilidade: 1min35s877, quase 0s4 mais rápido que Hamilton. A pole-position, de fato, já tinha dono, e os nove pilotos tinham de brigar do segundo lugar para trás.

Hamilton acabou sendo o melhor do resto. O britânico registrou uma bela marca e ficou a apenas 0s051 atrás do tempo de Vettel, garantindo o segundo lugar. Mas para não deixar dúvidas sobre quem é o cara do fim de semana, Sebastian deu o troco ao marcar 1min35s657, sacramentando a pole do GP dos Estados Unidos, a 36ª da carreira em sua 100ª corrida na F1. Lewis ainda conseguiu reduzir seu tempo e ficou a 0s1 do piloto da Red Bull.

Mark Webber acabou garantindo o terceiro tempo, 0s5 do tempo estabelecido pelo seu companheiro de equipe. Grosjean garantiu o quarto tempo, mas, graças à punição por troca de câmbio, vai largar apenas em nono. Dessa forma, quem vem atrás do franco-suíço ganha uma colocação no grid. Räikkönen parte em quarto, seguido por Schumacher — que fez ótima classificação —. Massa parte da sexta posição, enquanto Hülkenberg e Alonso completam a quarta fila do grid. Mas a fila mais explosiva da corrida é a quinta, com Grosjean largando ao lado de Maldonado no Circuito das Américas.

F1, GP dos Estados Unidos, Circuito das Américas, grid de largada:

 

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube