Vettel quebra sequência da McLaren e conquista quarta pole-position consecutiva no GP do Japão

Pela quarta vez na temporada de 2012, Sebastian Vettel puxará o pelotão na volta de apresentação. O alemão da Red Bull cravou a pole-position para o GP do Japão, que terá uma primeira fila inteiramente rubrotaurina. Melhor brasileiro, Felipe Massa largará em 10º, enquanto Bruno Senna partirá da 17ª posição

 Confira as melhores imagens do sábado de F1 em Suzuka

Após quatro corridas de domínio da McLaren nos treinos de classificação, enfim a sequência da equipe inglesa foi quebrada. Dominante, a Red Bull fechou a primeira fila em Suzuka. Sebastian Vettel cravou, na madrugada deste sábado (6), no Brasil, tarde de sábado no Japão, a pole-position para a 15ª etapa do Mundial de F1. Ao seu lado no grid de largada estará seu companheiro de equipe, o australiano Mark Webber.

Com a quarta pole de 2012, que também é a quarta consecutiva do alemão no GP do Japão, Vettel deixou para trás as lendas Jim Clark e Alain Prost e agora é o terceiro com mais poles na história da F1. Em sua curta carreira de 92 GPs, ele já conquistou a posição de honra do grid em 34 oportunidades. Agora, melhores que Vettel em classificações, somente Michael Schumacher e Ayrton Senna. E o jovem bicampeão, que tem apenas 25 anos, ainda vai ter muitas chances para chegar nos dois.

Ao centro, Vettel é a imagem da satisfação com a pole conquistada em Suzuka (Foto: Red Bull/Getty Images)

Victor Martins: Vettel é mais do que favorito. E Alonso deve beliscar um pódio

Jenson Button registrou o terceiro melhor tempo na qualificação, mas trocou o câmbio e, portanto, perde cinco posições. Assim, os japoneses verão o piloto local, Kamui Kobayashi, largar em terceiro neste domingo. A segunda fila é completada por Romain Grosjean. Comprovando o bom desempenho da Sauber, Sergio Pérez estará na terceira fila, junto do líder do campeonato, Fernando Alonso. Novo contratado da McLaren, o mexicano largará à frente tanto de Button, oitavo, quanto de Lewis Hamilton, nono.

Nenhum dos pilotos brasileiros conseguiu chegar ao Q3. Felipe Massa esteve perto, andou sempre entre os dez melhores, mas não conseguiu uma boa volta no fim do Q2 e terminou o treino na 11ª posição. Bruno Senna, por sua vez, deixou a disputa ainda no Q1. O piloto da Williams ficou em 18º e reclamou muito de Jean-Éric Vergne, que o atrapalhou durante uma volta rápida.

Ambos, no entanto, ganharam posições devido a punições de rivais. Massa larga em 10º, pois Nico Hülkenberg trocou de câmbio, e Senna, em 17º, pois Michael Schumacher perdeu 10 lugares após o acidente em que se envolveu no GP de Cingapura, há duas semanas

Confira como foi o treino classificatório para o GP do Japão:

Q1: Schumacher se salva no fim e tira Senna do Q2

Céu encoberto, nada de sol, mas nada de chuva também. A classificação em Suzuka começou com pista seca, 26ºC de temperatura ambiente e 36ºC no asfalto. Não foi muita gente que entrou na pista logo de cara não – apenas 10. Primeiro da fila para deixar os boxes, Paul di Resta, da Force India, foi quem inaugurou a folha de tempos.

Só que quem terminou à frente na primeira leva de voltas rápidas foram os pilotos da Lotus: Romain Grosjean e Kimi Räikkönen. Bruno Senna era o terceiro. Os dois se mantiveram em primeiro e segundo até a dupla da Ferrari entrar em ação: Felipe Massa subiu para a ponta, e Alonso, para terceiro. Na sequência, Mark Webber registrou o segundo tempo.

Massa permaneceu na ponta até seis minutos do fim, quando Sebastian Vettel completou sua primeira volta lançada, 0s3 mais rápido que o brasileiro. Lewis Hamilton e Jenson Button colocaram a McLaren no top-5. Já com pneus macios, Pastor Maldonado andou rápido e foi para segundo. Mas estes primeiros estavam garantidos no Q2.

A menos de um minuto do fim, a situação de Michael Schumacher era preocupante. Aparentemente com problemas, Michael Schumacher ainda não tinha tempo e era o último colocado. Com pneus duros, o alemão foi para 16º no último setor e tirou Bruno Senna da fase seguinte.

O brasileiro da Williams, a propósito, reclamou bastante de Jean-Éric Vergne, que o atrapalhou na freada da última chicane. Barrado no baile, acabou eliminado no Q1, junto de Heikki Kovalainen, Timo Glock, Pedro de la Rosa, Charles Pic, Vitaly Petrov e Narain Karthikeyan. Interessante o equilíbrio entre as nanicas em Suzuka. A primeira colocação acabou com Romain Grosjean.

Pouco mais de uma hora depois do fim da classificação, os comissários de prova do GP do Japão analisaram a reclamação de Senna e da Williams contra Vergne. E o francês acabou sendo punido com a perda de três posições no grid em Suzuka.

Räikkönen superou os problemas da Lotus e teve boa classificação (Foto: Red Bull/Getty Images)

Q2: Vettel e Button passeiam. 11º, Massa fica pelo caminho

Nove pilotos entraram na pista quando a luz verde voltou a ser acesa em Suzuka. O primeiro deles foi Kamui Kobayashi, a exemplo dos demais, já com pneus macios. Mas quem passou a ditar o ritmo foram os pilotos de Red Bull e McLaren. Na ordem, Vettel, Button, Webber e Hamilton. Massa vinha em quinto.

Vettel permaneceria na ponta até o fim do Q2, com Button em segundo. Eles nem precisaram de uma segunda tentativa. Räikkönen e Alonso cresceram e colocaram seus nomes ao lado do três e do quatro na folha de tempos.

Nos minutos finais do Q2, a ordem dos pilotos mudou bastante. Fernando Alonso melhorou e subiu para terceiro. Rosberg e Hülkenberg conseguiram se colocar entre os 10, bem como Pérez e Grosjean – estes, já depois da bandeira quadriculada ser agitada.

Em meio a essa melhora de boa parte dos pilotos, sobrou para quem não melhorou. Sobrou para Massa, que estava bem na primeira parte do Q2, mas foi mais lento em sua segunda volta e apenas caiu na tabela de classificação. Em 11º, acabou eliminado, junto de Di Resta, Schumacher, Maldonado, Rosberg, Ricciardo e Vergne, que de 16º caiu para 19º por conta da punição devido ao incidente com Senna no Q1.

É preciso lembrar que Schumacher perde dez posições no grid devido àquele acidente com Vergne no GP de Cingapura. Logo, deve largar somente em 23º.

Q3: Vettel voa para confirmar favoritismo e cravar pole em Suzuka

Räikkönen foi o primeiro a deixar os boxes e completar volta em Suzuka na fase decisiva do treino classificatório. Mas não foi grande coisa não a volta de Kimi. Depois dele, Vettel, Webber, Button e Grosjean cruzaram a linha de chegada com tempos melhores. O sexto piloto a tentar volta na primeira metade do Q3 foi Hamilton, o único que não conseguiu andar à frente do finlandês da Lotus.

Restando 1min20s, Pérez deu início à segunda parte do Q3, última chance dos pilotos de buscar a pole-position. O tempo do mexicano não foi bom: 1min32s022, nada que fosse muito bom. Mas ele contou com a ajuda de Räikkönen para se manter em uma boa posição de largada.

O bom quarto lugar de Kobayashi virou terceiro com a punição sofrida por Button (Foto: Red Bull/Getty Images)

O terceiro colocado no Mundial perdeu o controle de seu carro na curva Spoon e ficou atravessado na área de escape, provocando bandeiras amarelas. Assim, alguns dos pilotos que vinham em volta rápida precisaram levantar o pé e não conseguiram registrar voltas ideais.

Foram poucos os que subiram na tabela de tempos. Button superou a própria volta, mas não os pilotos da Red Bull. Kamui Kobayashi, sim, ganhou posições, foi para o quarto lugar. E foi isso. Lá atrás, Hamilton foi o grande prejudicado com a trapalhada de Räikkönen e registrou apenas o nono tempo. Hülkenberg sequer entrou na pista e ficou mesmo em décimo – que vai virar 15º, pois a Force India trocou o câmbio do piloto após o acidente da manhã deste sábado.

A largada para a 15ª etapa do Mundial de F1 acontece às 3h (de Brasília) da madrugada de sábado para domingo. Serão 53 voltas de disputa em Suzuka.

F1, GP do Japão, Suzuka, grid de largada:

 

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube