Vettel vê falta de respaldo na Ferrari: “Talvez não tenha tido o apoio que precisava”

Tetracampeão da Fórmula 1 com a Red Bull, Sebastian Vettel faz a última temporada com a escuderia de Maranello, mas ainda não definiu futuro profissional

Sebastian Vettel avaliou que talvez não tenha recebido o apoio necessário para ser bem sucedido com a Ferrari na Fórmula 1. O tetracampeão vai deixar a escuderia de Maranello ao fim da temporada 2020 e será substituído por Carlos Sainz Jr. no próximo ano. O alemão, porém, ainda não definiu qual será o próximo passo da carreira, mas é especulado na Aston Martin em 2021.

Na escuderia italiana desde 2015, Vettel não conseguiu quebrar a seca de títulos que a Ferrari amarga desde que Kimi Räikkönen levantou a taça em 2007. 2017 e 2018 foram os anos em que Sebastian chegou mais perto, mas a dominante Mercedes ficou com o troféu mais uma vez.

Sebastian Vettel (Foto: Ferrari)

A saída de Vettel do time, porém, coincide com o crescimento de Charles Leclerc dentro da equipe. Enquanto o monegasco teve o contrato renovado até 2024, o #5 sequer recebeu uma proposta de renovação. A Ferrari, aliás, culpou a pandemia do novo coronavírus pela falta de uma oferta ao ex-Red Bull.

Embora a falta do resultado almejado com Vettel seja tangível, o piloto não é o único responsável pelo jejum de Maranello, já que a Ferrari não conseguiu projetar um carro capaz de enfrentar o poderio da Mercedes na era dos motores V6 turbo.

“Não me arrependo do tempo que tive com a Ferrari”, disse Vettel ao jornal italiano La Repubblica. “Acho que, aqui e ali, talvez não tenha tido o apoio que precisava, queria ou pedi, mas, no geral, sempre tive ao meu redor pessoas que estavam dispostas a me ajudar tanto na pista quanto em Maranello”, seguiu.

“O Sr. [Sergio] Marchionne fez essa promessa quando me explicou que estavam procurando alguém para reconstruir o time. Na época, eu era o candidato, mas não mais…”, comentou.

A temporada atual não tem sido fácil para o tetracampeão. A Ferrari errou a mão no carro e, até aqui, Sebastian ocupa apenas a 13ª colocação na tabela, com dez pontos, 78 a menos que o líder Lewis Hamilton,

“Nos tornamos parte do pelotão intermediário no sentido de estarmos lutando com McLaren, Renault e outros times”, comentou. “No meu caso, me sinto competitivo ― mental e fisicamente no nível que tive no passado. Quero fazer a melhor escolha por mim mesmo. Talvez, em duas semanas ou mais, eu possa dizer o que decidi. Não estou com pressa”, assegurou.

Perguntado sobre a reestruturação no departamento técnico da Ferrari, Sebastian respondeu: “Espero que tenha um efeito rápido neste ano. Do contrário, não ligo e não vai me afetar”.

Paddockast #72 | Os carros mais dominantes da história da Fórmula 1
Ouça também: PODCASTS APPLE | ANDROID | PLAYERFM

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO? Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.
Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.
Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube