carregando
F1

Vettel vê necessidade de “puxar freio de mão” caso coronavírus cresça na F1

O alemão mostrou preocupação com a doença que já foi considerada pandemia pela Organização Mundial da Saúde. O tetracampeão afirmou que é preciso pensar no bem-estar dos pilotos, que estão unidos em decisões importantes como do Covid-19

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Sebastian Vettel crê que os pilotos da Fórmula 1 vão ficar unidos em qualquer decisão que envolva o coronavírus. O alemão apontou que caso a situação fique cada vez pior, serão obrigados a puxar o freio de mão.
 
A doença tem se espalhado rapidamente pelo mundo. Na última quarta-feira, a Organização Mundial da Saúde elevou o caso a pandemia – quando há disseminação mundial de uma nova doença. Atualmente, há 115 países afetados.
 
O titular da Ferrari também já havia dito que era justo “questionar porque estamos aqui”. Agora, complementou a fala afirmando que “espero que os outros concordem e espero que não chegue tão longe, mas caso chegue, então com certeza puxaremos o freio de mão.”
Esteban Ocon aparece de máscara no paddock (Foto: AFP)
“Penso que somos um grupo de 20 caras e acho que ficamos unidos nos últimos anos em várias circunstâncias e vários tópicos. Acredito que compartilhamos uma opinião comum em grandes decisões”, continuou.
 
“Vejo isso como uma enorme decisão e, como disse antes, você olha para si mesmo. E deveríamos, acho, ser maduros o suficiente para pensarmos em nós mesmos e puxar o freio de mão nesse caso”, completou.
 
A Associação de Pilotos de Corrida também emitiu um comunicado sobre o caso do coronavírus e disse para todos trabalharem em conjunto. “A Associação confia totalmente nas autoridades de saúde australianas, na FIA, F1 e nossas equipes para agir com a melhor das intenções para garantir a saúde, bem estar e segurança de fãs, oficiais, pilotos e maiores comunidades”, escreveu.
 
“Estivemos em contato com a F1 e a FIA durante a última semana e sabemos que estão trabalhando duro nesta desafiadora tarefa. Estamos todos juntos e ninguém está encarando a situação de forma leve. Mas sentimos que a responsabilidade recai sobre todos, os locais e também nós que viajamos o mundo”, seguiu.
 
“Seremos especialmente vigilantes e precavidos nesses tempos difíceis que a pandemia do coronavírus nos trouxe. Para terminar, a Associação gostaria de sugerir respeitavelmente que nós todos, os amigos australianos, fãs, comunidade da corrida e pilotos, mantenham uma distância segura e evite contatos próximos como selfies, autógrafos e apertos de mão”, encerrou.
 
A primeira baixa para o GP da Austrália já aconteceu. Na noite desta quinta-feira, a McLaren emitiu um comunicado informando que um membro da equipe testou positivo para a doença e, por isso, não vai disputar a abertura da temporada.
 
O coronavírus tem afetado os mais diversos esportes, eventos e categorias ao redor do mundo. A NBA, liga de basquete norte-americana, foi suspensa. A MotoGP já adiou as quatro primeiras etapas do calendário. Fórmula E também não realiza os ePs de Sanya, Roma e Jakarta.
 

Paddockast #51
QUEM VENCEU DRIVE TO SURVIVE 2


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.