F1
30/07/2017 10:42

Vettel vence corrida tática na Hungria e vai para férias na liderança do campeonato. Hamilton fica apenas em quarto

O GP da Hungria teve seus momentos sonolentos, mas ganhou em ação na metade final. Sebastian Vettel teve teve Kimi Räikkönen por perto por muito tempo, mas conseguiu vencer. Valtteri Bottas estacionou seu carro para Lewis Hamilton em um momento e ganhou de volta o terceiro lugar. E na Red Bull, o clima de 'paz e amor' azedou
Warm Up, de Hungaroring / FERNANDO SILVA, de Sumaré
 Sebastian Vettel (Foto: Beto Issa)

Por um bom tempo, o GP da Hungria deu sono a quem assistiu a corrida. Mas a partir da metade final da prova deste domingo (30), tudo mudou quando Sebastian Vettel, Kimi Räikkönen, Valtteri Bottas e Lewis Hamilton estavam muito próximos entre si. A Mercedes lançou mão da sempre discutível ordem de equipe e fez com que Bottas praticamente estacionasse seu carro para Hamilton passar e tentar atacar a dupla da Ferrari. Mas em uma pista conhecida pelas amplas dificuldades em ultrapassar, o top-3 foi mantido no fim. Vettel voltou a vencer na temporada e, com os 25 pontos somados em Budapeste, chegou a 202 pontos. Räikkönen completou a dobradinha da Ferrari.

Valtteri Bottas terminou em terceiro depois que Lewis Hamilton, abriu passagem no fim. O britânico devolveu posição depois de Bottas estacionar seu carro para ajudar o colega a tentar lugar contra as Ferrari. Assim, o bicampeão teve de se contentar com o quarto lugar. O resultado do britânico levou Vettel a ir para a liderança do campeonato com 14 pontos de vantagem para seu maior rival na briga pelo título. Hamilton foi seguido por Max Verstappen, que protagonizou um momento de tensão no começo da corrida ao se chocar contra o carro de seu companheiro de Red Bull, Daniel Ricciardo, que disparou contra o holandês depois de abandonar a disputa na primeira volta.

Fernando Alonso, por sua vez, garantiu seu melhor resultado do ano. Como presente no fim de semana do aniversário de 36 anos, o bicampeão colocou a McLaren na sexta colocação. Carlos Sainz, que duelou por muitas voltas com Alonso, foi o sétimo, enquanto Sergio Pérez e Esteban Ocon, da Force India, terminaram logo atrás. E Stoffel Vandoorne completou o top-10, marcando seu primeiro ponto no ano.

A F1 agora volta à ativa no fim de agosto, entre 25 e 27, para a disputa do GP da Bélgica, no mítico circuito de Spa-Francorchamps.
Sebastian Vettel venceu e abriu nove pontos de vantagem para Lewis Hamilton no Mundial de Pilotos (Foto: Beto Issa)
Saiba como foi o GP da Hungia de F1

A largada foi muito boa para a Ferrari. Vettel partiu bem e ainda contou com Räikkönen como escudeiro. Bottas manteve a terceira posição, mas Hamilton largou muito mal e chegou a estar em sexto. Só que logo à sua frente, o britânico viu Verstappen errar tocar no carro de Ricciardo na curva 3. Pior para o australiano, que rodou e depois acabou por abandonar a prova logo nas primeiras curvas por conta de um radiador furado. A direção de prova acionou o safety-car para remover o RB13 #3. Outro incidente de largada aconteceu entre Romain Grosjean e Nico Hülkenberg.

Chamava a atenção o sexto lugar de Carlos Sainz, sem dúvidas o piloto que mais tirou proveito da largada na Hungria. Outro que subiu bem foi Pérez, oitavo lugar, logo atrás de Alonso, enquanto Vandoorne e Ocon fechavam o top-10. De volta à F1, Di Resta aparecia em 17º.

A relargada foi dada na sexta volta da prova e trouxe dois grandes duelos: Verstappen contra Hamilton e, mais atrás, Sainz contra o amigo e compatriota Alonso. Lá na frente, Vettel só aproveitava a pista limpa para abrir vantagem para o resto, enquanto Bottas não conseguia se aproximar de Räikkönen na briga pelo segundo lugar. Verstappen, pouco depois, foi comunicado da sua punição por conta do toque em Ricciardo: 10s. Situação benéfica para Hamilton.
Polêmica na Red Bull: Verstappen toca em Ricciardo, que abandona o GP da Hungria (Foto: Reprodução)
Sem oposição dos adversários, Vettel abria vantagem para Räikkönen e fazia seguidamente a volta mais rápida da corrida. Mais atrás, a prova começava a se tornar modorrenta, com poucas brigas por posição na pista. Na 19ª volta, uma das poucas mudanças: Palmer abriu espaço para Hükenberg fazer a ultrapassagem e assumir o 11º lugar. E Romain Grosjean era mais um a abandonar a corrida: a roda dianteira esquerda não foi bem encaixada no pit-stop, e a Haas o pediu para estacionar o carro em uma das áreas de escape.

A partir da volta 27, Räikkönen mostrou melhor ritmo em relação a Vettel e se aproximou do companheiro de equipe, reduzindo para 1s3 a vantagem do alemão após 30 giros. Ao mesmo tempo, Bottas entrava no pit-lane para fazer sua parada, voltando à pista com pneus macios. Na volta seguinte, era a vez de Hamilton efetuar seu pit-stop. Por sua vez, a Ferrari chamou Vettel para os pits na abertura da volta 33. 

Bottas continuava à frente de Hamilton após a parada e, inclusive, marcava a volta mais rápida da prova: 1min21s656. Räikkönen, antes de fazer seu pit-stop, bradava no rádio depois de se sentir prejudicado ao tentar passar um retardatário. Na volta do pit-lane, Kimi voltou muito perto de Vettel, que mesmo assim manteve a dianteira. Mas o líder na pista era Verstappen, que esticou ao máximo seu stint na pista.
Bottas praticamente estaciona sua Mercedes para Hamilton passar (Foto: F1/Twitter)
Hamilton conseguiu encostar em Bottas depois da sua parada, e os dois andavam bem perto no começo da segunda metade da corrida. A proximidade de Lewis dava a entender que a Mercedes poderia impor uma ordem de equipe ao finlandês. Pouco mais atrás, Alonso e 'Sainz também travavam uma bela briga por posição em um dos poucos momento empolgantes da prova.

Räikkönen perto de Vettel... Hamilton perto de Bottas... e os quatro primeiros colocados, considerando que Verstappen ainda iria parar, estavam separados por uma distância cada vez menor. A corrida ganhava um pouco de emoção quando eram completadas 40 voltas.

As posições tornaram-se reais quando Verstappen fez sua parada na abertura da volta 43. Max caía para quinto, mas voltava marcando a melhor volta da corrida até então, 1min20s490. Vettel continuava na frente, com Kimi 1s2 atrás. Atrás, Bottas praticamente estacionou seu carro para Hamilton fazer a ultrapassagem e tentar atacar as duas Ferrari. Lewis partia para o tudo ou nada para tentar o que parecia antes improvável: vencer de novo na Hungria. Mas a Mercedes dava um prazo para o britânico passar Räikkönen. Do contrário, teria de devolver a posição a Bottas.
Fernando Alonso fez grande corrida na Hungria (Foto: Beto Issa)

Mais atrás, Alonso fazia grande corrida e vinha em sexto, logo à frente de Sainz. O bicampeão estava cada vez mais perto de faturar seu melhor resultado no ano, enquanto Stoffel Vandoorne aparecia em décimo. No entanto, todas as atenções estavam mesmo voltadas aos primeiros colocados, com Vettel, Räikkönen e Hamilton muito próximos.

A corrida entrou nas suas dez voltas finais com Vettel dando toda a pinta de que venceria a corrida, mas com um cenário indefinido em relação a Räikkönen e Hamilton. Lewis tentava se aproximar, mas o ritmo geral da Ferrari do finlandês era mesmo bem melhor, de modo que algum resultado além do terceiro lugar parecia muito difícil. Mesmo durante as ultrapassagens dos retardatários, Hamilton tinha dificuldades para se aproximar e chegar no 'Homem de Gelo'.

Nos últimos instantes, parecia estar tudo mais claro com Vettel na ponta, Kimi em segundo e Hamilton fechando o pódio. Di Resta, por sua vez, abandonava em sua corrida como substituto de Felipe Massa na Williams. Tudo indicava que o top-3 estava definido. Vettel cruzou a linha de chegada na frente ao fim de 70 voltas, com Räikkönen em segundo. Mas Hamilton cumpriu com o que queria a Mercedes e, na reta dos boxes, abriu passagem e devolveu a posição a Bottas, que completou o pódio na Hungria. E Alonso marcou seu melhor resultado do ano e terminou em sexto.

F1 2017, GP da Hungria, Hungaroring, final: 

1   5 Sebastian VETTEL ALE Ferrari 1:39:46.713 70 voltas
2   7 Kimi RÄIKKÖNEN FIN Ferrari +0.908  
3   77 Valtteri BOTTAS FIN Mercedes +12.462  
4   44 Lewis HAMILTON ING Mercedes +12.885  
5   33 Max VERSTAPPEN HOL Red Bull Tag Heuer +13.276  
6   14 Fernando ALONSO ESP McLaren Honda +1:11.223  
7   55 Carlos SAINZ JR ESP Toro Rosso Renault +1 volta  
8   11 Sergio PÉREZ MEX Force India Mercedes +1 volta  
9   31 Esteban OCON FRA Force India Mercedes +1 volta  
10   2 Stoffel VANDOORNE BEL McLaren Honda +1 volta  
11   20 Kevin MAGNUSSEN DIN Haas Ferrari +1 volta  
12   26 Daniil KVYAT RUS Toro Rosso Renault +1 volta  
13   27 Jolyon PALMER ING Renault +1 volta  
14   18 Lance STROLL CAN Williams Mercedes +1 volta  
15   94 Pascal WEHRLEIN ALE Sauber Ferrari +1 volta  
16   9 Marcus ERICSSON SUE Sauber Ferrari +2 voltas  
17   27 Nico HÜLKENBERG ALE Renault +2 voltas  
18   40 Paul DI RESTA ESC Williams Mercedes   NC
19   8 Romain GROSJEAN FRA Haas Ferrari   NC
20   3 Daniel RICCIARDO AUS Red Bull Tag Heuer   NC

CASO VÁ BEM EM TESTE, KUBICA DEVE VIRAR TITULAR DA RENAULT JÁ A PARTIR DO GP DA BÉLGICA