Williams defende “verdadeiro DNA da F1” ao apelar de punição branda à Racing Point

A Williams foi uma das quatro equipes que questionou a FIA sobre a punição aplicada na Racing Point às vésperas do GP dos 70 Anos. Claire Williams explicou os motivos que fizeram o time protestar à entidade ao lado de McLaren, Ferrari e Renault

A Williams foi uma das quatro equipes – ao lado de Ferrari, McLaren e Reanult – a protestar contra a decisão da FIA de punir a Racing Point com apenas 15 pontos no Mundial de Construtores e multa de € 400 mil às vésperas do GP dos 70 Anos da Fórmula 1. O RP20, carro do time de Silverstone, foi acusado de ilegalidades nos dutos de freios e de ter sido copiado a partir do W10, modelo de 2019 da Mercedes.

As quatro equipes alegam que a punição dada pela Federação Internacional de Automobilismo foi branda – a Racing Point, claro, discorda deste ponto. Claire Williams, chefe-adjunta da equipe Williams, decidiu explicar porque protestou contra o veredito da entidade máxima do esporte a motor, citando que sua posição não é apenas sobre a parte do desenho ou performance, mas a importância da decisão para o futuro da Fórmula 1.

“É uma conversa muito difícil. Honestamente, ninguém quer criticar adversários. Por mais que isso seja um esporte e a gente seja muito competitivo entre si – querendo usar suas armas para bater os rivais –, ninguém realmente quer esta situação”, disse Williams ao podcast In the Fast Lane.

O RP20, também chamado de ‘Mercedes rosa’, continua causando polêmica no paddock da Fórmula 1 (Foto: Racing Point)

“A Williams sempre foi clara sobre o que pensa a respeito do verdadeiro DNA do esporte, o verdadeiro DNA. Alguns vão argumentar que este é o tradicional, que essa é a história, que isso é necessário para adaptar, inovar e mudar, como fez a Racing Point. Mas estaremos sempre ao lado da filosofia de que equipes da Fórmula 1 devem desenhar e construir as peças originais dos carros. Obviamente essa é a questão, o debate sobre os dutos de freios da Racing Point”, acrescentou a dirigente.

“Mandamos nosso protesto à FIA e agora é com eles. É dever deles analisar o que aconteceu e dar a punição apropriada se a Racing Point encontrou uma brecha no regulamento”, finalizou.

A Racing Point conta, no paddock, com apoio respeitável de Toto Wolff, chefe da Mercedes. “Eles não violaram nenhuma regra técnica porque em 2019 estas partes [os dutos de freio] não estavam listadas e passaram a ser no ano seguinte. Não havia nenhuma regra concreta ou diretiva técnica dizendo que não era permitido usar partes de 2019 que já se tem”, alegou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube