F1

Williams reconhece má fase, mas nega negociação com família Mazepin: “Não seria a hora certa de vender”

Chefe-adjunta da Williams, Claire Williams negou que esteja negociando a venda do time para Dmitry Mazepin. A dirigente considerou que não é momento de vender quando o time atravessa uma má fase

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Chefe-adjunta da Williams, Claire Williams negou que esteja negociando a venda do time para o pai de Nikita Mazepin, Dmitry. A dirigente admitiu que conversou brevemente com o empresário no fim do ano passado, mas frisou que nunca foi sua intenção vender a equipe da Fórmula 1.
 
Claire Williams negou que Williams esteja à venda (Foto: Williams)
Resultado de imagem para emoji microfonePaddockast #15: Você manja mais de Fórmula 1 do que Flavio Gomes?



 Ouça no Spotify
 Ouça no iTunes
 Ouça no Android
 Ouça no playerFM
Em 2018, Dmitry foi um dos candidatos a compradores da Force India, mas acabou desbancado por Lawrence Stroll, que transformou a escuderia na atual Racing Point. Na época, Mazepin criticou a negociação, argumentando que fez uma proposta maior pela equipe e que não foi considerada.
 
Questionada pelo site ‘Motorsport.com’ sobre os rumores, Williams respondeu: “Eu vi essas histórias. Dei pouca atenção a elas”.
 
“Não encontrei o Sr. Mazepin para falar sobre isso. Nós tivemos uma conversa breve em meados do fim do ano passado, mas, depois disso, não nos falamos mais”, contou. “Eu gostaria de ser realmente categórica sobre isso: a Williams não está à venda. Eu não tenho intenção de colocar a Williams à venda. Não vejo razão para fazer isso”, assegurou.
 
Última colocada no Mundial de Construtores da F1, a Williams reconhece que não vive uma boa fase. Essa, aliás, é uma das razões para Claire rejeitar a venda.
 
“Em momentos como este que o time está passando, os rumores sempre surgem. Mas, priorizando o negócio, não seria a hora certa de vender quando o time não está indo bem”, ponderou. “Nós só avaliaríamos essa possibilidade se estivéssemos indo bem. Esse é o momento certo de vender. A Williams está neste esporte há mais de quatro décadas e nunca quisemos vender”, seguiu.
 
“É isso que fazemos, não temos mais nada para fazer. Então não estamos no mercado, não quero vender para ninguém, quero sair e provar que podemos fazer o que estamos neste esporte para fazer, que é voltar ao pódio e vencer corridas”, garantiu. “Pode ser que leve um longo tempo, mas Frank levou mais de dez anos para fazer isso quando começou neste esporte, e tenho certeza que teremos muito mais coisas jogadas na nossa direção. Mas você não desiste em momentos ruins. É um teste de caráter continuar e provar para todos que você consegue”, concluiu.
 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.