carregando
F1

Williams teme perder dinheiro de premiação da F1 por calendário curto

Claire Williams não sabe o que vai acontecer com o dinheiro da premiação da Fórmula 1, incerto após provas canceladas e adiadas pelo coronavírus. A dirigente diz que será difícil gerir a equipe se o orçamento for impactado

Grande Prêmio / Redação GP, de Berlim
Enquanto a temporada 2020 da Fórmula 1 não começa, as dez equipes do grid tem um problema para resolver: o reduzido fluxo de caixa nos primeiros meses do ano, consequência de corridas adiadas ou canceladas durante a pandemia do coronavírus. Com o dinheiro da premiação virando uma incerteza e tanto categoria quanto equipes em vias de perder dinheiro, a Williams deixa o aviso: vai ser “difícil” manter uma equipe de F1 com rendas diminutas.
 
“A dúvida é que, se a gente não for às corridas, o que acontece com o dinheiro da premiação?”, disse Claire Williams, chefe de equipe, entrevistada pela revista ‘Autosport’. “Ele diminui, o que obviamente seria difícil de gerir? No momento só esperamos que não seja o caso. E, óbvio, temos conversas sobre seguro se for o caso, mas não é uma situação simples de administrar. Ainda temos salários para pagar. A maioria das equipes tem os salários como a maior parte dos gastos mensais”, destacou.
Claire Williams vê incerteza no aspecto financeiro da F1 em 2020 (Foto: Williams)
A questão da premiação é apenas uma das diversas variáveis que a F1 encara no começo de 2020. Informações da ‘Auto Motor und Sport’ indicam que a categoria já deixou de arrecadar 150 milhões de dólares (751 milhões de reais) por não realizar as corridas de março e abril. Com um rombo no orçamento, é possível que o prejuízo seja compartilhado com equipes.
 
Outro problema causado pelo coronavírus é o número reduzido de provas. A F1 tem o objetivo de realizar ao menos 18 GPs, quatro a menos do que o originalmente previsto. Essa queda já representa um menor faturamento para as equipes, que recebem o dinheiro de patrocinadores por etapa realizada.
 
A boa notícia é que a Williams não enfrenta casos de coronavírus até aqui, agora podendo até mesmo fechar a fábrica por três semanas. Entretanto, restam dúvidas a respeito do futuro.
 
“Nós ainda não temos casos [de coronavírus] na Williams, não temos. Mas temos que assegurar que vamos manter nosso trabalho. Isso vem em diversas formas diferentes, tendo a capacidade de fazer as pessoas trabalharem em casa se for necessário. Eu suponho que a principal incerteza para qualquer equipe é a produção [de peças], porque você não consegue produzir em casa. Se a gente tiver que fechar a fábrica, isso pode ser incrivelmente difícil”, encerrou.

COMO SE PREVENIR DO CORONAVÍRUS:
 
☞ Lave as mãos com água e sabão ou use álcool em gel.
☞ Cubra o nariz e boca ao espirrar ou tossir.
☞ Evite aglomerações se estiver doente.
☞ Mantenha os ambientes bem ventilados.
☞ Não compartilhe objetos pessoais.
 

 
Paddockast #52
PREVISÕES CERTEIRAS E OUSADAS PARA F1 2020


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.