carregando
F1

Wilson Fittipaldi passa por cirurgia de emergência após hemorragia cerebral

Após a cirurgia de emergência, Wilson Fittipaldi foi levado para a UTI, onde permanece. O procedimento foi realizado após ser diagnosticada uma hemorragia cerebral em virtude de uma queda que Fittipaldi sofreu dias antes

Grande Prêmio / AMÉRICO TEIXEIRA JR., de Vinhedo / EVELYN GUIMARÃES, de Curitiba / PEDRO HENRIQUE MARUM, do Rio de Janeiro
Ex-piloto da Fórmula 1 e irmão mais velho do bicampeão Emerson, Wilson Fittipaldi, de 76 anos, passou por uma cirurgia de emergência nesta segunda-feira (16), em São Paulo, após um quadro de hemorragia cerebral. Após o fim do procedimento, foi mantido internado na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do Hospital Sancta Maggiore. 
 
Segundo apuração feita pelo GRANDE PRÊMIO, Wilsinho, como sempre foi chamado no meio do automobilismo, sofreu uma queda alguns dias antes e, na semana seguinte, começou a apresentar sintomas de perda das funções neurológicas. Após exames, ficou constatado o sangramento e a cirurgia se tornou necessária. A operação de ontem durou 4 horas e foi realizada pelo neurocirurgião Erich Fonoff. 
 
Fittipaldi está consciente e apresenta sinais vitais normais. Inclusive já conversou por telefone com o filho, Christian Fittipaldi, também ex-piloto da F1 e da Indy. Ainda não há previsão de alta, no entanto. As visitas também estão proibidas por causa do coronavírus, pois Wilson faz parte do grupo de risco em razão da idade.
Wilson Fittipaldi e o Copersucar (Foto: Reprodução)
Wilson Fittipaldi Júnior ganhou, ao lado de Emerson, fama em provas da Fórmula Vê nos anos de 1960, antes de tentar ingressar na Fórmula 1. O salto para a principal categoria do automobilismo aconteceu em 1972, por meio da equipe Brabham e motores Ford-Cosworth. Foram duas temporadas como piloto. O melhor resultado foi um quinto lugar no GP da Alemanha em 73, o que o fez terminar aquele campeonato com três pontos e a 16ª colocação. Ainda conseguiu um feito histórico ao lado de Emerson: no GP da Argentina daquele 1973, formaram a primeira dupla de irmãos a marcar pontos na mesma corrida.
 
Dois anos depois, Wilsinho mergulhou de cabeça no projeto da primeira equipe brasileira na F1. A Copersucar-Fittipaldi estreou em 1975, tendo o próprio Wilson como piloto. No ano seguinte, se tornou chefe da esquadra, e isso foi até 1982, quando o time deixou de existir, em meio a muitas dívidas e sem patrocínio.
 
Mais tarde, Wilson ainda disputou a Stock Car no Brasil, entre 1982 e 1983, voltando à categoria em 1991, para correr também as temporadas de 94, 95 e 96. Chegou a fazer parceria com o irmão Emerson em 2008, na versão brasileira do GT3. E esteve também envolvido com o Trofeo Linea, em que tinha uma equipe, em 2010.
 
Atualmente, Wilsinho vive em São Paulo.

COMO SE PREVENIR DO CORONAVÍRUS:
 
☞ Lave as mãos com água e sabão ou use álcool em gel.
☞ Cubra o nariz e boca ao espirrar ou tossir.
☞ Evite aglomerações se estiver doente.
☞ Mantenha os ambientes bem ventilados.
☞ Não compartilhe objetos pessoais.

 

 
Paddockast #52
PREVISÕES CERTEIRAS E OUSADAS PARA F1 2020


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.