Witzel desiste de levar F1 ao Rio e mira etapa da Fórmula E no Parque Olímpico

As pretensões do Rio de Janeiro em levar de volta o GP do Brasil de Fórmula 1 sofreram mais um abalo. De acordo com a rádio Jovem Pan, Wilson Witzel, governador do estado, se retirou do projeto que conta também com a Prefeitura do Rio e também o governo federal. A ideia do político é levar a Fórmula E para uma etapa a ser disputada no Parque Olímpico

Se as chances de o projeto de levar a F1 de volta ao Rio de Janeiro já eram pequenas por conta das notórias dificuldades para tirar do papel a construção do Autódromo de Deodoro, elas sofreram mais um baque nos últimos dias. De acordo com a rádio Jovem Pan, o governador do estado, Wilson Witzel, desistiu do projeto tríplice que envolve também a Prefeitura do Rio e também o governo federal. A intenção do político é levar para a Cidade Maravilhosa uma etapa da Fórmula E nos próximos anos.
 
Antigos aliados políticos, Witzel e Jair Bolsonaro entraram em rota de colisão recentemente, o que também afeta a intenção do Rio em levar de volta o GP do Brasil de F1. O governador chegou a receber o chefão da Fórmula 1, Chase Carey, para uma reunião, na qual apresentou ao dirigente norte-americano as intenções do estado. Em maio, o presidente da República chegou a dizer que as chances de o Rio receber de volta a categoria estavam em “99%”.
 
Entretanto, de acordo com a emissora, a F1 pediu estímulos e incentivos fiscais ao estado, que sofre gravíssima crise financeira. Os custos de construção do Autódromo de Deodoro beiram os R$ 700 milhões, em área coberta pela Mata Atlântica. Além dos altos custos, há outro entrave para que o projeto vá em frente: a emissão de um estudo de impacto ambiental, sobretudo porque a floresta conta com várias espécies em extinção.
Governador do Rio 'tirou o time de campo' sobre construção do Autódromo de Deodoro (Foto: Divulgação)
O Rio de Janeiro concorre com São Paulo pela chance de estabelecer um vínculo com a categoria nos próximos anos. No último domingo, o governador paulista, João Doria, afirmou que tem marcada uma reunião decisiva para dezembro com a intenção de renovar o contrato com a Fórmula 1 e manter o GP do Brasil em Interlagos até 2030.
 
 
Por conta de todo o potencial de desmatamento na área destinada à construção do complexo e todo o dinheiro que seria gasto, Lewis Hamilton, hexacampeão mundial de F1 e a maior voz do esporte a motor na atualidade, se mostrou frontalmente contra. 
"É a primeira vez que ouvi sobre a corrida no Rio. Eu acho, sinceramente, que tem muito dinheiro envolvido na construção destes circuitos. Já temos um autódromo histórico aqui, não precisa derrubar árvores, destruir mais território", afirmou.
 
"Eu acho que o dinheiro pode ir para algo melhor, tem coisa que o governo pode investir nas cidades. Tem muito talento e gente aqui. Se fosse meu dinheiro, colocaria em coisa melhor. Educação é muito importante. No meu time, temos vários engenheiros novos, mas poucos do Brasil, deveríamos ter mais", seguiu Hamilton.
 
"Isso significa que vão derrubar árvores? Não aprovo isso. Temos um país muito bonito aqui, uma floresta importante para o nosso futuro. Temos que focar mais no meio ambiente. Amo o Rio, gostaria de passar mais tempo lá, mas não quero correr em um circuito que prejudicou o meio ambiente, uma terra tão bonita para o nosso futuro."
 
"Precisamos pensar no futuro da nossa geração, que fica pior a cada ano. As mudanças climáticas estão piores a cada ano. Existem muitas áreas que precisamos atacar, esta é uma delas. Me disseram que destroem um algo do tamanho de um campo de futebol na floresta a cada dia. Não acho que a F1 contribui para isso [preocupações ambientais]", concluiu.

Em contrapartida, Witzel considera a Fórmula E uma opção para levar uma categoria de ponta do automobilismo mundial para o Rio de Janeiro. A ideia do político é levar o eP carioca para o Parque Olímpico, que foi construído para os Jogos Olímpicos de 2016 justamente onde estava localizado o antigo Autódromo de Jacarepaguá.

 
“Lá em Londres eu me reuni com a Fórmula E, que já tem um traçado e cresce muito anualmente. Seria para um circuito ali na arena onde é o Rock in Rio. Já tem um circuito pronto, tem um investimento do Estado, na ordem de R$ 35 milhões, uma única vez. Quer dizer, seria do Estado e de patrocinadores, aí caberia captar esses recursos”, disse.
 
“Esse circuito ficaria para ser utilizado em outras ocasiões, também, e a Fórmula E mostrou interesse em vir para o Rio de Janeiro. O primeiro circuito seria em fevereiro de 2021, e agora estou trabalhando para conseguir, com a Caixa Econômica Federal, que eles passem com a Prefeitura para que a gente possa tentar. Eu já levei essas questões ao assessor do prefeito, que parece que é quem resolve lá na Prefeitura”, complementou Witzel, indicando clima de animosidade com o mandatário do município, Marcelo Crivella.
 

Paddockast # 42
QUEM É VOCÊ NO GP DO BRASIL?

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube