F2

Calderón diz que testar com F1 faz carro da F2 “parecer mais lento”: “Foi a melhor preparação possível”

Tatiana Calderón fez dois testes com carros de F1 da Alfa Romeo em 2018 e, para 2019, foi contratada pela Arden como titular na F2. E, para a colombiana, não existe melhor preparação para sua nova categoria do que as idas à pista na principal categoria do mundo
Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Tatiana Calderón se tornará em 2019 a primeira pilota a competir na F2. Mas, antes disso, ela fez dois testes com a então Sauber, hoje Alfa Romeo, em 2018.

Além de garantir um novo contrato para seguir testando com a equipe na F1 em 2019, ela leva a experiência para sua participação com a Arden na F2

Para a colombiana, aliás, esse é um fator decisivo: ela chamou os testes na principal categoria como "melhor preparação" para sua nova aventura.

"Tudo depois da F1 parece pequeno. Com a velocidade que você anda na F1, todo o resto parece mais lento", disse Calderón em entrevista ao 'Crash.net'. 
Tati Calderón segue mais um ano com a Alfa Romeo (Foto: Alfa Romeo)
"Com certeza foi uma grande experiência, aprendi muita coisa que eu preciso colocar em prática na F2. Foi, definitivamente, a melhor preparação que eu poderia ter tido. E se puder ter mais chances neste ano será incrível", completou.

Sobre a continuidade como pilota de testes da Alfa Romeo, ela afirmou que a confiança que a equipe mostra em seu trabalho é que a mantém esperançosa com o futuro.

"É bom estar lá pelo terceiro ano, é como se eu pertencesse a esta família. Estou muito feliz. Eles confiam em mim, construímos uma história linda juntos. Foi muito especial pilotar um F1", finalizou.