Chilton consolida domínio em Hungaroring e vence pela primeira vez na GP2. Razia é terceiro

Max Chilton conquistou sua primeira vitória na GP2 depois de consolidar uma performance dominante no fim de semana com a corrida deste sábado (28). Luiz Razia foi o terceiro e segue na liderança do campeonato, enquanto Felipe Nasr abandonou

Nem Luiz Razia, tampouco Davide Valsecchi. O melhor piloto do fim de semana da GP2 até o momento é Max Chilton. Soberano na sessão classificatória, o britânico da Carlin largou na pole e só foi perdeu a ponta porque um grupo de pilotos optou por retardar a sua janela de pit-stop. Mas Max, de 21 anos e que recentemente guiou pela Marussia no teste com jovens em Silverstone, pilotou com a autoridade de um veterano, dominou os favoritos e conquistou a sua primeira vitória na categoria neste sábado (28).

Houve um momento da prova em que Razia até tentou ultrapassar Valsecchi para assumir a segunda colocação, que lhe garantiria uma folga maior na classificação da temporada. Mas o italiano abriu vantagem no fim da corrida para cruzar a linha de chegada em segundo, seguido pelo brasileiro. Razia ainda segue líder da temporada, mas agora soma 186, contra 179 do rival da Dams.

Felipe Nasr abandonou a prova quando faltavam quatro voltas para o fim. Por sua vez, Victor Guerin cruzou a linha de chegada em 21º, uma volta atrás do vencedor, Chilton. Mas o piloto da Ocean se envolveu em um incidente com seu companheiro de equipe, Nigel Melker, e terá o caso investigado pela direção de prova.

Chilton sacramentou seu domínio na Hungria com a primeira vitória da carreira na GP2 (Foto: GP2/LAT Photographic)

Razia fez belíssima largada e ganhou duas posições, passando por Jolyon Palmer e James Calado. O baiano trouxe consigo Gutiérrez, outro que largou muito bem na Hungria. O duo latino-americano foi para cima de Valsecchi, que manteve a segunda colocação, enquanto o pole, Max Chilton, tentava se desgarrar do primeiro pelotão.

Enquanto tentava buscar Gutiérrez, Cecotto perdeu o controle do carro da Addax no fim da reta dos boxes, passou reto e bateu de frente na barreira de pneus. A frente do bólido ficou destruída, mas o venezuelano não sofreu nenhuma lesão mais séria.

Aí o desenrolar da prova ganhou contornos de procissão, uma vez que as características do circuito húngaro não favorecem as ultrapassagens. Chilton ia um pouco mais à frente, seguido por Razia, que era escoltado por Calado, sempre com pouco mais de 1s separando cada um deles.

Já a diferença do mexicano da Lotus para Van der Garde era de quase 5s. O holandês, que vinha em sexto, liderava o segundo pelotão, que tinha ainda Nasr e Palmer.

Mas o jovem brasileiro da Dams iniciou a primeira janela para troca de pneus em Budapeste, na volta 11, mudando os compostos supermacios para os médios. O que se viu daí por diante foi uma grande movimentação nos boxes, com todo mundo colocando os compostos médios.

Gutiérrez liderou um grupo de pilotos que optou por tática diferente. Além do mexicano, Coletti, Julián Leal, Simon Trummer, Nigel Melker e Stéphane Richelmi largaram com pneus médios e seguiram na pista sem ainda fazer o pit-stop obrigatório. Dentre os competidores que pararam, Chilton era o líder, seguido por Valsecchi e Razia. Nasr, por sua vez, caiu para 16º.

Finalmente, na 21 das 37 voltas da corrida, Gutiérrez fez sua parada, calçou pneus macios e liderou o grupo que ainda não havia ido aos boxes para trocar pneus. Apenas Trummer e Leal optaram por seguir na pista, mas ambos, bem mais lentos, eram pressionados por Chilton.

Só que o britânico da Carlin era prejudicado pelo ritmo bem mais lento de Leal e trouxe consigo Valsecchi e Razia, que travaram um duelo à parte. Na luta pelo título, os pilotos brigavam curva após curva, mas o italiano conseguiu levar a melhor num primeiro instante. Depois que Julián fez sua parada, Chilton finalmente teve caminho livre, seguido por Valsecchi e Razia.

Chilton, Valsecchi e Chilton no pódio da etapa da Hungria da GP2 (Foto: GP2)

Trummer resistia bravamente e tinha pouco mais de 6s de frente para Chilton. Até que o suíço finalmente parou, na volta 29, e acabou reestabelecendo a verdade da prova, com Chilton na frente, seguido por Valsecchi e Razia. Quem estava sofrendo com o desgaste dos pneus na escaldante Budapeste era Gutiérrez, que tinha muitos problemas para conseguiu manter seu carro na pista.

Se a disputa parecia definida na frente, no pelotão intermediário a briga era bastante dura, com Gutiérrez, Leimer, Nasr e Coletti na briga pelo oitavo lugar. Mas o brasileiro perdeu o controle do carro de número 4 na saída da curva 1 e bateu na barreira de pneus, abandonando a disputa.

Lá na frente, Chilton até recebeu uma certa pressão de Valsecchi no fim, mas conseguiu resistir com tranquilidade para vencer pela primeira vez na GP2, sacramentando um fim de semana perfeito no tradicional circuito de Hungaroring. Ao lado do rival italiano, Razia completou o pódio da corrida deste sábado.

GP2, Hungaroring, corrida 1, final:

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube